Departamento de Anatomia Patológica

O Departamento de Anatomia Patológica (DAP) da FCM – UNICAMP foi fundado pelo Prof. Dr. José Lopes de Faria em 1965, no prédio da antiga Santa Casa de Misericórdia de Campinas. Figura expoente da Anatomia Patológica do Brasil, além de emérito educador, o prof. Lopes instalou os serviços de necrópsia e patologia cirúrgica, bem como o curso teórico e prático para o terceiro ano médico da então Faculdade de Medicina da Universidade de Campinas. O DAP mudou-se para o novo Hospital de Clínicas da Unicamp em 1985.

 

Ao longo de mais de vinte anos, o Prof. Lopes coletou um valioso acervo de peças de museu e lâminas didáticas, ainda hoje utilizadas pelos alunos.  Escolheu seus assistentes entre ex-alunos e residentes, aos quais confiou desenvolver as diversas áreas de especialidade da Anatomia Patológica.  Escreveu dois livros didáticos sobre Anatomia Patológica Geral e Especial, baseados em grande parte no material reunido em seus anos de docência e pesquisa no DAP-UNICAMP. Desde abril de 2000 este material está disponível em CD-ROM, e no site didático do Departamento na internet, http://anatpat.unicamp.br.
O Departamento conta hoje com 12 docentes, cada um respondendo por um setor do conhecimento e conduzindo linhas de pesquisa relevantes nas suas áreas de atuação. Há também um corpo de médicos assistentes, que absorvem o excedente de material gerado pelo serviço do Laboratório de Anatomia Patológica (LAP) do HC da UNICAMP e unidades de saúde associadas, como o Gastrocentro, o Hemocentro e o CAISM.  Docentes, médicos assistentes e residentes do DAP/LAP participam de reuniões de integração com as áreas clínicas das respectivas especialidades.

 

O DAP se responsabiliza pelos cursos de Anatomia Patológica para os alunos de Medicina, Enfermagem e Farmácia, ministrados pela FCM – UNICAMP, de forma integrada com outros Departamentos, como preconizado pela Reforma Curricular instalada em 2002. Administra também diversas disciplinas de pós-graduação e um programa de Residência Médica na especialidade, que admite três residentes por ano para um treinamento de três anos, formando novos especialistas em Patologia Diagnóstica.

 

Além das técnicas tradicionais de exame macroscópico e lâminas coradas por hematoxilina e eosina, os técnicos do Laboratório dominam amplo espectro de métodos especiais de coloração, e procedimentos auxiliares, como imunoistoquímica, imunofluorescência e microscopia eletrônica, que permitem aumentar sobremaneira a acurácia diagnóstica nos vários campos da Anatomia Patológica.