Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Equipe responsável
Prof. Dr. Agricio N.Crespo
Prof. Dr. Carlos T.Chone
Dr.Flávio M.Gripp
Dr.Marcelo Sampaio
Fga.Ana Lucia Spina
Fga.Vanelli Colombo
 

Histórico
O Serviço constituído dentro da Disciplina de Otorrinolaringologia atua há mais de 15 anos no diagnóstico, tratamento, prevenção e reabilitação do paciente com câncer de cabeça e pescoço.
Oferece ampla assistência complementar incluindo Fonoaudiologia e Odontologia especializada em pacientes com câncer de cabeça e pescoço.

 

Objetivos
O Serviço de Cabeça e Pescoço promove o diagnóstico precoce, tratamento, prevenção e reabilitação do paciente com câncer de cabeça e pescoço em busca de uma maior sobrevida e melhor qualidade de vida destes pacientes.
Exerce função importante na formação de novos médicos otorrinolaringologistas capacitando-os a atuar nesta área da especialidade.
Promove a formação complementar de fonoaudiólogos(as) neste tipo de reabilitação.

Constituição
O Serviço é constituído de cinco médicos otorrinolaringologistas responsáveis pelos cuidados médicos. Possui um serviço de Fonoaudiologia responsável pelos processos de reabilitação de nossos pacientes, em especial no campo da disfagia e voz.
Todos os pacientes são assistidos pelo serviço de urgência da Disciplina de Otorrinolaringologia 24 horas por dia.
Há uma equipe de Odontologia associada responsável pelos cuidados orais prévios assim como pela reabilitação bucal e faríngea após os tratamentos cirúrgicos e complementares.
Todos os pacientes são assistidos por uma equipe de psicólogas especializadas no preparo e acompanhamento do tratamento, em especial os distúrbios emocionais secundários às sequelas cirúrgicas estéticas e funcionais. Um grupo de enfermeiras é responsável pelo suporte básico dos pacientes enquanto estão sob cuidados médicos ambulatoriais ou durante sua internação no pré, intra e pós-operatório.

Organização
O serviço apresenta três horários cirúrgicos às segundas-feiras e outros dois horários às quintas-feiras.
Nosso atendimento médico ambulatorial ocorre ao longo de dois períodos às quintas-feiras simultâneamente ao atendimento da enfermagem e psicológico.
O atendimento fonoaudiólogico ocorre também às quintas-feiras sendo estendido às segundas-feiras, se necessário.
Todo o atendimento médico é realizado ou acompanhado pelos médicos residentes, em número de doze, supervisionado por dois ou três médicos responsáveis pelo serviço. Os residentes freqüentam o serviço em esquema de rodízio ao longo de seus três anos de residência médica .
Uma atividade teórica com programação definida ao longo de todo o ano complementa formação teórica destes novos profissionais. Conjuntamente, uma visita semanal a enfermaria com assistência teórico-prática também é realizada.

 

DESCRIÇÃO DE CASO TÍPICO ATENDIDO NO SERVIÇO

 

DESCRIÇÃO DE CASO
Paciente de 50 anos, masculino, procurou nosso serviço comlesão ulcerada em língua há 40 dias. Realizado o exame físico de cavidade oral, foi observada lesão ulcerada em borda lateral de língua à esquerda de 3 cm de diâmetro em sua maior extensão, a 2 cm da ponta da língua, sem atingir linha média e a 2 cm das papilas circunvaladas(Figura 1). Não foi palpado nenhuma massa cervical ao exame fisico de pescoço. A laringoscopia indireta com espelho de Garcia e o exame de fibronasofaringolaringoscopia não apresentou lesão adicional em via aerodigestiva superior. Paciente foi estadiado clinicamente como lesão de cavidade oral T2N0..
Foi submetido a uma biópsia com anestesia local que revelou ser um carcinoma espinocelular. O paciente foi submetido a duas injeções peri-tumorais de 0,2 MCI de fitato99m-TC, duas horas antes da cirurgia e linfocintilografia duas horas após a injeção. Uma atividade de 25.6 MBq foi injetada ao longo da mucosa normal que cerca o tumor e submucosa no aspecto profundo do tumor em um volume de aproximadamente 0.2 ml. Tomou-se o cuidado de prevenir extravasamento inadvertido de colóide na boca. Foram realizadas imagens estáticas em projeções ântero-posteriores e laterais (Figura 2a e 2b) e os linfonodos radioativos foram marcados na pele com tinta(Figura 3). A seguir, o tumor primário foi ressecado e elevado retalho cutâneo para esvaziamento cervical. Foram expostos os níveis II, III e IV com dissecção do músculo esternocleidomastóideo de sua fáscia medial e retraído posteriormente. Com utilização de GP manual Neoprobe-1500 (Neoprobe Corp, Dublin, OH)(Figura 4) foi localizado o linfonodo sentinela e dissecado-o(Figura 5 e 6). Após, o restante do pescoço foi reavaliado quanto à presença de radioatividade e confirmada radioatividade no linfonodo dissecado. Prosseguiu-se com o esvaziamento cervical eletivo supraomohióideo proposto(Figura 7). O linfonodo sentinela foi encaminhado para exame histopatológico com hematoxilina-eosina com cortes seriados do e exame de imunohistoquímica.