Boletim da FCM: O vírus zika na mira da ciência

A sociedade brasileira e médicos se depararam nos últimos meses com o aumento do número de casos de microcefalia no país em recém-nascidos. O surto, que começou no Nordeste, fez com que a comunidade científica passasse a investigar as possíveis causas de notificações. A primeira hipótese era de que o responsável por esse surto fosse o vírus zika e que o agente transmissor seria o mesmo do vírus da dengue, o mosquito Aedes aegypti. Conforme algumas pesquisas foram avançando, outras doenças foram atreladas ao vírus zika, como a Síndrome de Guillain-Barré, até então pouco em evidência no Brasil.

Devido à urgência de prontas respostas à demanda da sociedade pela confirmação de um agente etiológico, com boa probabilidade de ser o vírus zika o causador dessas manifestações anteriormente relatadas, a Unicamp reuniu e, rapidamente, criou um grupo de 25 pesquisadores nas áreas de epidemiologia, virologia, imunologia, biologia molecular, ginecologia e obstetrícia, genética, neurologia, entre outras, e criou a Rede Zika Unicamp para desenvolver diversas ações para qualificar novos estudos na tentativa de obter soluções para os problemas causados pelos vírus da zika, dengue e chikungunya.

Há muito para se aprender acerca dos múltiplos aspectos da infecção causada pelo vírus zica. Esperamos que a leitura dessa edição do Boletim da FCM – que tem a participação de diversos pesquisadores e professores da faculdade – colabore para uma melhor compreensão de alguns aspectos clínicos e epidemiológicos relacionados ao vírus zika, além de contribuir para o avanço do conhecimento em busca incessante de uma saúde pública de qualidade no país. Exemplares impressos do Boletim da FCM estão disponíveis no Centro de Memória, Biblioteca, Comissão de Graduação, Pós-Graduação, Residência Médica, Diretoria e Relações Públicas da faculdade.

Leia a edição completa do Boletim da FCM.