Servidores da FCM participam de Oficina de Gestão por Processos

Enviado por Camila Delmondes em sex, 15/12/2017 - 11:39

Na tarde da última quarta-feira (13), funcionários de diversas áreas administrativas da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp participaram da Oficina de Gestão por Processos, conduzida pelas orientadoras metodológicas Eneida Rached Campos, Maria Bernadete de Barros Piazzon e Maria Isabel Coghi

O treinamento é uma das ações propostas pelo Planejamento Estratégico (Planes) da FCM e teve como objetivo, ampliar a visão sistêmica dos servidores da faculdade em relação aos processos desenvolvidos no âmbito da unidade.

“Tudo o que se refere a mudança de processos de trabalhos cristalizados nos dá uma visão melhor do todo. Temos que enxergar nossas tarefas no trabalho, não apenas como facilitadoras, mas também como formatadoras”, disse o diretor associado da FCM, Roberto Teixeira Mendes, ao abrir a oficina.

Ainda de acordo com Teixeira, o cenário ideal é aquele em que as pessoas consigam enxergar o resultado do trabalho realizado por elas. “O trabalhador precisa sentir-se parte. No caso da universidade, precisamos conseguir enxergar que as nossas atividades impactam diretamente nas ações da Unicamp. Isso é ‘desalienar’ o trabalho”, acrescentou.

“Para adquirirmos uma visão sistêmica do todo, precisamos entender que ela tem diferentes óticas e que muda de acordo com as diferentes posições ocupadas pelos indivíduos. O esforço consiste em também confiar no que as outras pessoas enxergam desse sistema”, acrescentou Eneida Campos.

Ampliar a visão sistêmica da pessoa sobre a coleção de processos que forma a FCM, representado-os em diagramas de entendimento coletivo, esteve no foco das atividades realizadas pelos servidores durante a dinâmica.

“A oficina contrapõe a visão tradicional da organização, esquematizada por meio de organogramas, com a visão de gestão por processos. Na visão tradicional, as funções são mais importantes que os clientes, ou seja, não mostra o que é feito e quem faz, nem como o trabalho é realizado e nem por onde ele passa”, explica Bernadete Piazzon.

Na visão por processos, por sua vez, a instituição é enxergada a partir de uma cadeia composta por fornecedores, processos, subprocessos e clientes. “Nela, entendemos todos os valores que são agregados ao longo do caminho, de maneira que os clientes passam a ser mais importantes do que as funções”, acrescenta Piazzon.

A próxima etapa da Oficina de Gestão por Processos acontecerá em janeiro de 2018.