Qualificações e Defesas - Detalhes

UM MODELO METABÓLICO E FATAL DE CHOQUE HEMORRÁGICO EXPERIMENTAL

Candidato(a): Simone Alves dos Santos Ferreira
Orientador(a): Marcos Mello Moreira



Apresentação de Defesa
Curso: Mestrado em Ciências da Cirurgia
Local: Anfiteatro da UTI Adulto (HC)
Data: 01/11/2018 - 10:00 hrs
Banca avaliadora
Titulares
Marcos Mello Moreira - Presidente,
Universidade Estadual de Campinas
Bruno Monteiro Tavares Pereira - Universidade Estadual de Campinas
Aníbal Basile Filho - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP
Suplentes
Desanka Dragosavac
Silvio Oscar Noguera Servin

Resumo


Introdução: O pré-requisito para se avaliar a ressuscitação volêmica no choque hemorrágico, é um modelo experimental reproduzível levando a resultados previsíveis. Em ambos os modelos de choque, o controlado por pressão e o controlado por volume, a resposta fisiológica é hetereogênea. O lactato no sangue tem se revelado um excelente marcador de perfusão tecidual. Nossa hipótese é de que um determinado valor de lactato no sangue seria um melhor parâmetro metabólico como expressão da gravidade do insulto fisiológico global.

Objetivo: Avaliação do lactato como marcador metabólico de choque hemorrágico em um modelo experimental.

Método: Catorze porcos jovens foram anestesiados com Ketamida, Atropina e intubados e mantidos em respiração espontânea com Halotano, nebulizado em ar atmosférico. Um cateter de artéria pulmonar #5 e cateteres femurais e jugulares foram inseridos para a medida do débito cardíaco e da pressão arterial média. Gases arteriais foram medidos no sangue arterial e venoso misto em todos os animais após estabilização fisiológica. O Grupo I (n=7) foi submetido à anestesia e à instrumentação, mas não foi sangrado. Dados hemodinâmicos e metabólicos foram coletados no período Pré (T0) e 30 (T1), 60 (T2) e 120 minutos (T3). Os animais do Grupo II (n=7) foram sangrados até se atingir uma pressão arterial média de 30mmHg no período de 30 minutos. A partir de então, o lactato no sangue arterial foi medido a curtos intervalos de tempo (utilizando um analisador rápido - Accusport, Boehringer Mannheim – que permite a leitura do lactato em 60 segundos em uma única gota de sangue).

Resultados: Todos os animais do grupo I sobreviveram. Todos os animais do Grupo II morreram. Entretanto, nenhum óbito ocorreu antes que o lactato tivesse atingido 10mM/L. Com o lactato acima de 10mM/L todos os animais apresentaram acidemia grave, hiperventilação e diferença de base negativa assim como sinais clínicos de choque. Sem

tratamento, todos os animais morreram após 70,43 (±24,51) minutos de hipotensão, em curto espaço de tempo após ter sido atingido um nível médio de lactato de 17,01 (±3,20) mM/L.

Conclusão: Conclui-se que, em porcos em choque hemorrágico sem tratamento, um lactato acima de 10mM/L resulta fatal.