Qualificações e Defesas - Detalhes

"O acontecido não foi comigo, mas foi": A Violência Sexual Vivenciada pelo(a) parceiro(a) da vítima

Candidato(a): Otávio Prado Alabarse
Orientador(a): Renata Cruz Soares De Azevedo



Apresentação de Defesa
Curso: Mestrado em Ciências Médicas
Local: Anfiteatro do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria/FCM
Data: 20/08/2018 - 13:30 hrs
Banca avaliadora
Titulares
Renata Cruz Soares De Azevedo - Presidente
Alessandra Elena Diehl Branco dos Reis - UNIFESP
Paulo Dalgalarrondo
Suplentes
Sheila Cavalcante Caetano - Universidade Federal de São Paulo
Luis Fernando Farah De Tofoli

Resumo


O cuidado em saúde mental é fundamental para mulheres que sofreram violência sexual (VS). O aparecimento e agravamento de sintomas e transtornos psiquiátricos dependem de vários fatores, entre eles, personalidade prévia, tipo de trauma e rede de apoio social. Esta última é muito importante, no entanto nem sempre está estruturada para lidar com essa situação. Há escassez de abordagens dirigidas à rede, especialmente para os parceiros, que podem apresentar intenso sofrimento, e raramente são incluídos na linha de cuidado em VS. OBJETIVOS: Promover suporte em saúde mental aos parceiros de mulheres que sofreram VS, com o intuito de conhecê-los melhor, entender seu sofrimento e dar suporte para lidarem com a situação de VS. MÉTODO: Tipo de estudo: Estudo exploratório com método misto (quantitativo e qualitativo). Sujeitos: Homens e mulheres, maiores de 18 anos, parceiros e parceiras de mulheres atendidas no Ambulatório de Atendimento Especial (AAE) do CAISM/ UNICAMP. Instrumentos: Entrevistas semiestruturadas. Procedimentos: Os parceiros que aceitaram o convite receberam até quatro atendimentos feitos por um psiquiatra com objetivo de counseling direcionados para o evento traumático. RESULTADOS: Os parceiros incluídos no estudo relataram ter experimentado ao menos alguma alteração após a violência sexual, seja ela de caráter físico, psíquico, emocional e/ou social. Entre os sentimentos, o mais marcante foi a raiva. Os principais quadros apresentados foram alteração do sono e do apetite, sintomas de ansiedade e depressão, além de pensamentos repetidos sobre a violência sexual. CONCLUSÃO: Os parceiros relataram que o atendimento recebido ajudou a aliviar a tensão e angústia que sentiam e com isso, ressignificaram seu sofrimento.