Qualificações e Defesas - Detalhes

Análise metagenômica da microbiota intestinal em pacientes portadores de câncer colorretal

Candidato(a): Larissa Berbert Arias
Orientador(a): Claudio Saddy Rodrigues Coy



Apresentação de Defesa
Curso: Mestrado em Ciências da Cirurgia
Local: Anfiteatro do Gastrocentro
Data: 28/01/2020 - 08:00 hrs
Banca avaliadora
Titulares
Claudio Saddy Rodrigues Coy - Presidente
Carla Roberta de Oliveira Carvalho - ICB - Universidade de São Paulo
Everton Cazzo
Suplentes
Paulo Gustavo Kotze - Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Luiz Roberto Lopes

Resumo


INTRODUÇÃO: O desequilíbrio da microbiota intestinal é um dos fatores relacionados à carcinogênese colorretal. Existem poucos dados publicados sobre microbiota no câncer colorretal para a população brasileira. OBJETIVO: Descrever as alterações da microbiota em pacientes com diagnóstico de neoplasia colorretal esporádica em comparação com indivíduos saudáveis. MÉTODOS: Amostras fecais foram obtidas de 28 indivíduos com câncer colorretal (grupo 1) e 23 controles saudáveis ​​(grupo 2). O RNA 16S foi extraído para análise metagenômica. Além das variáveis ​​antropométricas, foi considerado o estágio clínico (TNM-2018). RESULTADOS: Não houve diferença significativa em relação à distribuição por sexo (p = 0,275), idade (p = 0,292), IMC (p = 0,56), tabagismo (p = 0,515), tipo de parto (p = 0,089), tempo de amamentação (p = 0,751), área de residência (rural ou urbana) (p = 1,00) e escolaridade (p = 0,182). O cólon distal (57,1%) foi o local de câncer colorretal mais frequente. Em relação à classificação TNM (2018), os estágios iniciais foram os mais comuns, respondendo por 42,9% da amostra. (no estágio 0 in situ e estágio I), os estágios II, III e Iv foram de 25%, 28,6% e 3,6%. Houve maior porcentagem de Prevotellas e Fusobacterium no grupo 1 e no grupo 2, Bacteróides, Megaminas e Pseudobutyrivibrio. Quanto às espécies, houve diferença significativa com maior quantidade de Prevotella copri (p = 0,043), Bacteroids fragilis (p = 0,05), Faecalibacterium prausnitzii (p = 0,009), Fusobacterium nucleatum (p = 0,032) no grupo 1 e maior abundância de Bacteroids vulgatus (p = 0,001), Bacteroides stercoris (p = 0,031), Lachnospira pectinoschiza (p = 0,016) no grupo 2. Houve correlação inversa entre estadiamento do câncer e Prevotella copri (p = 0,019), Lachnospira pectinoschiza (p = 0,041), Faecalibacterium prausnitzii (p = 0,016). CONCLUSÕES: Houve diferenças na microbiota intestinal para indivíduos com câncer colorretal. Algumas espécies foram correlacionadas com o estágio TNM