LMI leva participantes para dia com Termalismo

A Liga de Medicina Integrativa (LMI), juntamente com a pesquisadora Andréa Benati Dahdal, promoveu a ida de participantes ao Balneário Águas de Lindóia com o intuito de aprender e experiênciar sobre o Termalismo.

A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), publicada em 2006 pelo Ministério da Saúde, prevê o Termalismo como uma prática integrativa com grande potêncial de desenvolvimento no Brasil, visto a quantidade de bacias hidrográficas e águas termais que temos.

Por isso a LMI promoveu este passeio teórico-experiencial para apresentar aos participantes esta prática e seus benefícios.

 

Conheça o Balneário de Águas de Lindóia

Veja abaixo mais sobre o Termalismo

 

 

TERMALISMO NO BRASIL BREVE RESUMO

Por Andrea Benati Dahdal

 

INTRODUÇÃO

No cumprimento de suas atribuições de coordenação do Sistema Único de Saúde e de estabelecimento de políticas para garantir a integralidade na atenção à saúde, o Ministério da Saúde apresenta a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS, cuja implementação envolve justificativas de natureza política, técnica, econômica, social e cultural. Como sabemos a PNPIC apóiaMedicina Tradicional Chinesa, Acupuntura, Homeopatia, Fitoterapia, Medicina Antroposófica e  Termalismo-Crenoterapia

Para conhecimento das terminologias   empregamos a designação Termalismo, quando nos referimos ao conjunto de atividades terapêuticas desenvolvidas no espaço de um estabelecimento balneário e que tem como agente terapêutico a água termal, com propriedades físico-químicas distintas das águas comuns,  a Hidrologia é a ciência que estuda as águas em geral em todas as suas formas e manifestações na superfície da Terra, seja na atmosfera, nas nuvens, nos mares, nos lagos, rios, subsolo, fontes e geleiras.

Crenologia é uma de suas divisões, abrangendo o estudo e conhecimento das águas mineromedicinais em suas aplicações práticas, na prevenção e tratamento de várias morbidades. Hidriatria, Medicina Hidrológica ou Crenoterapia se refere ao tratamento médico pelas águas em geral e Balneoterapia é o local em que esses tratamentos são feitos onde as nascentes dessas águas brotam e são capitadas em fontes ou banheiras.(MOURÃO, 1995).

En todas las etapas de nuestra existencia multisecular, la Balneología ha estado relaciSão utilizadas para essas localidades as seguintes designações: caldas, termas, estâncias termais, estâncias hidrominerais, essas designações  foram usadas em nosso país em   épocas históricas diferentes mas constituem sinônimos.

Estas expressões estão hoje definidas por legislações internacionais e nacionais relativas ao termalismo, às águas minerais e ao turismo. (Quintela, 2004).

elementos, sustancias orgánicas, temperatura del agua, acción osmótica, los potenciales electrónicos, etc.El problema multilateral y complejo sobre la acción de las aguas minerales se debe analizarA complexidade da água mineral deve ser analisada à luz das atuais realizações científicaslas diferentes ramas de la medicina y la Balneología clínica y experimental, con el fin de dos diferentes ramos da medicina clínica e experimental balneológica, de forma destacar la s posibilidades reales profilácticas y curativas de las aguas minerales y dirigir su a possibilitar seu uso profilático e curativo das águas minerais e dirigir as suas utilización independiente o conjunta con otros medios terapéuticos. utilizações isoladamente ou em conjunto com outros meios terapêuticos.

A balneoterapia quando bem empregada produz resposta favorável a uma série de alterações positivas especialmente no aparelho locomotor, sistema digestório, respiratório, circulatório e dermatológico.

A terapêutica é bem tolerada, suave e raramente causa efeito secundário, o ambiente é agradável, calmo levando ao relaxamento. Tudo é levado em consideração para o sucesso do tratamento, mas as águas mineromedicinais e suas técnicas de aplicação são fatores essenciais  dotadas de particularidades especiais sendo declarada como utilidade pública pelos orgãos competentes.
Embora em nosso país não dediquemos a devida importância, outros países empenham-se no desenvolvimento e aprimoramento de suas estâncias, não só administrativamente, mas também procurando elevar cada vez mais essa modalidade de cura de acordo com as conquistas científicas de cada época.  Nosso patrimônio hidromineral é imenso e digno de melhor reconhecimento.

 

BREVE HISTÓRIA DO TERMALISMO

Na mitologia grega a água mineral tem sua origem quando Poseidon, deus do Mar, num ataque de fúria, secou todas as fontes de água da Grécia. Porém, encantado com a beleza de uma jovem sedenta que lhe pedia ajuda, ele mesmo tocando seu tridente sobre uma rocha, fez nascer uma tripla fonte de água cristalina. As águas de fonte foram, sem dúvida, as primeiras a serem utilizadas pelo ser humano para suprir suas necessidades. Não se sabe em que dado momento da história da humanidade iniciou-se a distinção entre as águas que possuíam efeitos medicinais e as demais. (MOURÃ O, 1982)

. As práticas termais têm uso secular,  as águas minerais são usadas há pelo menos 25 séculos, passando por várias etapas do mistico à ciência. Resgatando sua história no passado para entender o presente e voltando no tempo  o inicio  situa na civilização greco-romana. As águas termais eram práticas de higiene (o que não era comum na época) e de reuniões filosóficas, as pessoas se reuniam em construções criadas em volta das fontes para troca de conhecimentos.

Na Idade Média as termas foram hostilizadas pela igreja católica porque considerava o banho “um atentado à castidade” e as regras rígidas da igreja puniam “os prazeres do corpo”. Após esse longo período medieval a igreja muda de posição e o que antes era pecaminoso agora é considerado “milagroso”, por seus poderes de cura. Então têm início as peregrinações de fiéis em busca da cura para seus males e assim foram erguidos povoados e capelas: surgiam os esboços das cidades estâncias.

A população sábia, transmitia, passava, difundia e experimentava o poder curativo das águas, ou pelo menos o seu poder de transformar as circunstâncias, transformar os sentidos e sensações, transformando cada vez mais o sofrimento em descanso.

Tal como ontem, ainda hoje existem pelo país as tais “bicas” e nascentes de água, por vezes transformados em tanques e fontes, outras vezes a água é levada  em baldes, banheiras portáteis, garrafas plásticas, garrafões, dando forma a um fenômeno imenso e que vai além da ciência  o que chamamos de termalismo popular. Esse termalismo  persiste e resiste no cotidiano de uma estância termal.

A partir da primeira metade do século XIX os freqüentadores das termas passam a ser a aristocracia e a emergente burguesia. Ainda as práticas balneoterapicas eram sem conhecimento científico predominando o empírico. Na segunda metade do século as águas termais são objeto de pesquisa e passa a ser agente da ciência. Os médicos reivindicam a legitimidade do saber científico.

Nos periódicos editados pela Academia Real de Medicina Brasileira, no século XIX, as primeiras notícias sobre águas minerais referiam-se às fontes termais de Goiás e à utilização da sua água para o tratamento da morféia (lepra) em 1839. A partir da segunda metade do século, com o desenvolvimento da química e da própria medicina, iniciou-se pesquisas sobre suas propriedades terapêuticas das águas.

Com a descoberta de novos medicamentos, novos conceitos e práticas médicas e pela falta de pesquisa, a partir da segunda metade do século XX, diminuíram no Brasil as pesquisas e as práticas crenoterápicas que podemos afirmar ser pouco explorada.

A partir da segunda guerra mundial as terapias termais foram perdendo interesse tanto da classe cientifica quanto de seus usuários, caindo no esquecimento e voltando a ser prática empírica para muitos médicos destituídos de conhecimento inclinados para o uso de drogas potentes causando outras “doenças”.                                                 Hoje o termalismo é confundido com turismo, mas voltando ao passado sua história mostra que a procura da cura pelas águas termais é fato científico e notório e de novo é uma questão de tempo para que a balneoterapia saia da hibernação.

 

 

VIAS E TÉCNICAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS ÁGUAS

A prática em muitos países mostra que, para se obter um bom resultados con la balneoterapia en el centro de curontologia son necesarias de 3 a 4 resultado com a balneoterapia é necessária de 3-4 semanas, teniendo en cuenta el estado general del enfermo, el tipo y tiempo de lasemanas, tendo em vista a condição do paciente e o tipo de enfermedad, la posibilidad de que se lleve a cabo un tratamiento mas intensivo (con un día problema. La utilización de los métodos radiológicos en la Balneología, arroja gran claridad sobre una

Se ha establecido que            mediadores enzimo – hormonales subordinados y neurorreflactores). Se ha establecido queVia oral ou hidropínica

Basicamente é a administração da água diretamente da fonte, a quantidade da ingestão é variável e provoca acentuada remoção de escórias orgânicas, com aumento da diurese. A prescrição da ingestão da água mineral deveria ser orientada com conhecimento ou a ingestão sem orientação pode reservar decepções porque a terapêutica tem limitações acrescida a sensibilidade de cada doente. A água mineral não opera benefícios quando a orientação é falha. A água ingerida fora das fontes perde suas propriedades primárias tornando-se água de mesa.

Balneação

É a utilização das águas termais em aplicações externas e tem como principal representante os banhos. A repercussão terapêutica nas patologias reumáticas e ortopédicas torna-se eficiente porque o banho de imersão facilita a movimentação do aparelho locomotor e diminui o esforço em que é o corpo é submetido dentro água. La acción de otra serie de métodos de aplicación de los factores balneoterapeúticos,

Nos banhos de imersão com as águas mineromedicinais os seus efeitos terapêuticos são reforçados pela composição físico química da água, mineralização e possível absorção de elementos ionizados em dissolução no liquido hidrotermal (transmineralização). Os banhos ainda podem se caracterizar pela temperatura da água:

Banhos frios: 12 a 18 °C: Vasoconstrição periférica generalizada, hipertonia discreta, aumento do metabolismo, aumento do tônus muscular, diminuição da resistência osmótica, aumento das funções  supra renais e diminuição da coagulação.

Banhos frescos: 18 a 24 °C: Vasoconstrição da pele, tensão do tecido conjuntivo periférico, ligeiro aumento do tônus dos vasos periféricos, ligeira hipertonia, diminuição da freqüência do pulso e do volume cardíaco.

Banhos indiferentes: 34 a 35 °C: Diminuição do tônus muscular, melhora da circulação venosa periférica.

Banhos quentes: 38 a 42 °C: Vasodilatação periférica, distensão muscular, taquicardia, aumento do volume cardíaco, aumento da sedação, aumento da temperatura corporal, hipertonia, aumento do metabolismo, aumento do volume respiratório.

Quizás este sea uno de los mecanismos de efectos favorables provocados por las aguas acratotermales ( de Bankia, Vershets) utilizadas en tratamientos de enfermedadesNão podemos deixar de citar a importância da limpeza das banheiras como modo de se evitar a transmissão de doenças. A desinfecção, que é a destruição do agente infeccioso fora do organismo, deve ser efetuada logo após a saída do usuário. A desinfecção quimica  é desaconselhável por qualquer processo porque pode provocar reações tóxicas e alérgicas além de poluir a água a desinfecção deve se por meio físico  por vapor de alta temperatura

telemétrico de la electrocardiografía realizada, reducción de los intervalos QT, aumento delas crestas disminuidas T, disminución de la depresión de los intervalos ST (216,240).Bajo la influencia de la fuerza de gravedad (o el también llamado factor antigravitacional)La acción de otra serie de métodos de aplicación de los factores balneoterapeúticos,El aumento de la presión hidrostática ayuda a disminuir las afecciones inflamatorias yaInaloterapia e vaporização

El aumento de la presión hidrostática ayuda a disminuir las afecciones inflamatorias yaAdministração nas vias respiratórias de águas mineromedicinais, finamente pulverizadas em partículas com diâmetro menor de 30 microns por meio de aspiração de gazes e vapores. Os métodos empregados na inaloterapia incluem a pulverização, a inalação, nebulização, aerossol e emanatório, local fechado  onde há a presença de fonte e a dispersão dos gases radioativos.

importantes, como sulfuros, yodo, bromo, radon, etc., las inhalaciones balneoterapeuticasejercen gran influencia sobre el organismo y sobre las enfermedades extrapulmonares Duchas

Consistem na projeção de água mineromedicinal em jatos de vários orifícios de diâmetros diferentes  que imprimem água com uma pressão de 1 a 3 atmosferas sobre o corpo ou sobre um membro com a finalidade de atuar em áreas específicas e pequenas. As duchas podem ser:

Pressão leve: é sedativa, para tratamento de dores e estados congestivos         Pressão média: tem ação normalizante sob o equilíbrio neurovegetativo,

Pressão forte: são superexcitantes e devem ser evitados, a pressão forte libera produtos histamínicos.

.        Quanto à temperatura o organismo suporta maiores extremos de temperatura mais elevada ou baixa do que comparado ao banho de imersão. Desta forma podem-se obter efeitos suaves e efeitos tônicos. Ação da temperatura:

Ducha fria: essencialmente tônica de efeito calmante e deve ser administrada por tempo curto.

Ducha morna: essencialmente sedativa, provoca estado de euforia e tranqüilidade.

Ducha quente: essencialmente excitante tem poderes anestésicos e sedativos.

Saunas

Ambiente onde se eleva a temperatura artificialmente, podem ter níveis diferentes de altura para se sentar ou deitar. Quanto mais alto maior a temperatura e quanto mais próximo do solo menor a temperatura.

São banhos de vapor que promovem a sudorese caracterizando  procedimento desintoxicante na eliminação de resíduos e relaxante. Para aumentar os benefícios a ducha de água morna é técnica complementar.

A balneoterapia como técnica de imersão ou duchas produz com as aplicações de água fria    uma ação estimulante e refrescante. Com banhos mornos ou de temperatura indiferente produzem um efeito sedante e favorecem o sono, com banhos muito quentes de longa duração criam uma sensação de intranquilidade e insônia, sobretudo se aplicada a noite.

No sistema cardio circulatório a água fria vai diminuir a atividade cardíaca, a frequência e elevar a pressão arterial, produzindo uma vasoconstrição. A água quente vai produzir um aumento da frequência cardíaca e uma diminuição da pressão arterial por causa de uma vasodilatação.

 

Água fria

Água quente

  Vasoconstrição

  Vasodilatação

  Diminuição da pressão arterial

  Aumento da pressão arterial

  Excitação muscular

  Relaxamento muscular

 

INDICAÇÕES E CONTRA INDICAÇÕES

A terapia termal pode desempenhar um papel importante no alívio da dor, na redução do número de crises e consequente redução do consumo de fármacos, o que se traduz na melhoria do bem-estar e da qualidade de vida.
Teoricamente todas as pessoas podem tomar banhos de imersão ou beber águas termais. No entanto, os especialistas alertam sobre a importância de se saber qual o melhor tipo de água para cada problema. Isso porque a temperatura e a presença de alguns sais minerais e oligoelementos na sua composição podem não fazer bem a todo organismo.

.Os idosos podem se cansar rapidamente por causa do calor excessivo das saunas ou banhos de imersão a temperatura deve ser controlada e monitorada para não haver complicações.

As contra indicações dos tratamentos termais são normalmente associados aos processos inflamatórios agudos onde o transporte do doente fica difícil, processos febris e neoplasias.

 

Andreia B. Dahdal 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Decreto-Lei nº 7.841, de 8 de agosto de 1945. Código de Águas Minerais. Disponível em <http://www.dnpm.gov.br/conteudo.asp?IDSecao=67&IDPagina=84&IDLegislacao=3>. Acesso em: 10 abr. 2010.

DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. Sumário Mineral, 2000. Disponível <http://www.dnpm.gov.br/mostra_arquivo.asp?IDBancoArquivoArquivo=350>. Acesso em: 2 abril 2010

GIBBON, E. Declínio e Queda do Império Romano. São Paulo: Companhia das Letras, 2001

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Portaria n. 52, de 2 de fevereiro de 2005. Aprova o Regimento Interno da Comissão Permanente de Crenologia do Ministério de Minas e Energia. Disponível em: <http://www.dnpm.gov.br/assets/legislacao/Portaria%2052.doc> Acesso em: 3 maio. 2010.

MORAES, Adriana Gomes. O turismo nas estâncias termominerais – O caso da estância termomineral em Santo Amaro da Imperatriz e Aguas Mornas – SC Brasil.Turydes revista de investigación em turismo y desarollo local. Disponivel em: http://www.eumed.net/rev/turydes/02/agm.htm/ Acesso em: 01 de maio de 2010.

MOURÃO, B. M. Medicina hidrológica: moderna terapêutica das águas minerais e estações de cura. Poços de Caldas : Prefeitura Municipal, 1992.

PNPIC - Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do SUS, 2006. Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde: http//www.saude.gov.br/bvs. Acesso em: 19 de abril 2010

SILVA, E. R. O curso da água na história: simbologia, moralidade e a gestão de recursos hídricos. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998