Faculdades de Medicina de Campinas propõem a criação do Coapes para região metropolitana

Os diretores das três faculdades de Medicina de Campinas, Ivan Felizardo Contrera Toro (Unicamp), Márcia Pereira Bueno (PUCCamp) e Guilherme de Menezes Succi (São Leopoldo Mandic) reuniram-se no mês de maio e acertaram a união administrativa das três faculdades na criação do Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde (Coapes) de Campinas e região. A ação conta com o estímulo da Secretaria Municipal de Saúde de Campinas.

O Coapes é um contrato organizativo de ação pública de ensino-saúde criado em 2015 pelo Ministério da Saúde dentro do Programa Mais Médicos. O objetivo do Coapes é aprimorar a relação entre as universidades e os gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) e promover melhores condições de inserção dos estudantes nos serviços de saúde. O Ministério da Saúde acredita que a implantação do Coapes poderá beneficiar cerca de 1,3 milhão de alunos de graduação em 15 profissões da área de saúde.

De acordo com o diretor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, Ivan Felizardo Contrera Toro, a criação do Coapes é o primeiro resultado de reuniões sistemáticas entre os diretores das três faculdades de Medicina de Campinas para aproximar docentes e alunos e diminuir a tensão decorrente de rivalidades esportivas e ampliar a convivência entre todos.

“Esta aproximação tem sido possível com o estímulo do departamento acadêmico da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC) e promete render frutos, tanto no ensino, como na extensão e na pesquisa, mas, principalmente, na formação humanística dos alunos das três faculdades de Medicina de Campinas”, disse Toro.

O diretor do curso de Medicina da faculdade São Leopoldo Mandic, Guilherme de Menezes Succi, acredita que a oficialização do Coapes no Município de Campinas trará grandes vantagens as Instituições de Ensino, à Secretaria de Saúde, aos Equipamentos de Saúde e à população. Para Guilherme, a definição das atribuições individuais e de ocupação dos espaços pelas escolas promoverá maior integração entre elas.

“Muitas ações conjuntas serão desenvolvidas com cada um colaborando de maneira mais organizada e sinérgica para o município. Acreditamos que a definição de garantias e obrigações de todos os envolvidos será de grande ajuda para o fortalecimento de ações de pesquisa, extensão e de  atenção à saúde do cidadão”, reforçou Guilherme.

Ainda segundo Ivan Toro, o Coapes propiciará aos alunos e docentes o planejamento de atividades conjuntas como, por exemplo, projetos de extensão envolvendo Ligas Acadêmicas que coloquem em prática atividades de prevenção e diagnóstico, com um alcance populacional e de aprendizado. “Atividades culturais, palestras, trabalhos comunitários, dentre outras, são outras possibilidades. Tudo isso fará diferença na formação dos novos profissionais”, completou Toro.

As fotos publicadas nessa matéria são do fotógrafo Charbel Chaves e as frases foram extraídas das diretrizes curriculares de 2014. A ação faz parte do projeto "Aprender trabalhando e trabalhar ensinando", da Comissão de Graduação em Medicina da FCM da Unicamp.