Gestores de Saúde fazem capacitação na Unicamp

Cerca de 130 profissionais da Secretaria Municipal de Campinas começaram nessa quarta-feira (23) o curso de especialização em Gestão de Serviços de Saúde. O curso é uma parceria entre a Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp com a Prefeitura de Campinas e tem a duração de um ano. De acordo com o médico sanitarista Gastão Wagner de Souza Campos, o curso já é uma tradição e foram formadas 36 turmas desde 1990 até agora.

Os objetivos do curso são capacitar os gestores para atuar dentro do Sistema Único de Saúde (SUS) de forma a lidarem com conflitos, reuniões, contratos, planejamento, organização da saúde, atendimento integral e até mesmo refletirem sobre si. De acordo com Gastão, os gestores – agora alunos – aprenderão a lidar com pacientes, com pessoas, com projetos, com a falta de recursos e com autoridades.

“É uma coisa ambiciosa. Queremos contribuir para a melhoria do SUS, das equipes, do atendimento. Esse curso é um exemplo para o país de como compartilhar saberes entre instituições diferentes independentemente de quem sejam seus dirigentes. O SUS é do Brasil”, revelou.

O chefe do Departamento de Saúde Coletiva da FCM, Edison Bueno, disse que acomodação é uma atitude que não cabe para quem trabalha como gestor na área da saúde. “É preciso que vocês sejam protagonistas e multiplicadores de mudanças das políticas públicas de saúde”, disse.

O diretor da FCM, Ivan Felizardo Contrera Toro, reafirmou o papel da faculdade e da Unicamp em estarem abertas a novas propostas que melhorem a saúde da população, especialmente a de Campinas. “Temos orgulho de ter equipes capazes de discutir as questões do SUS. A Rede Pública de Saúde de Campinas é um importante campo de ensino para a formação do médico", revelou.

Citando Abraham Lincoln, o secretário de saúde de Campinas Carmino de Souza disse que há três ingredientes que vão balizar a vida de qualquer pessoa onde quer que ela esteja: caráter, humildade e oportunidade. Carmino também reforçou que os conceitos da saúde mudam a uma velocidade de 20% ano e por isso necessário atualizações constantes.

“O gestor precisa ter bom caráter, compromisso com a população, sempre estar presente na unidade, saber ouvir, conhecer todos os processos e trazer novas propostas. O SUS precisa ser preservado”, revelou.