Pesquisa da FCM é premiada em Congresso Americano de Ortopedia

Pesquisa conduzida por Maurício Etchebehere, professor do Departamento de Ortopedia da Faculdade de Ciências Médias (FCM) da Unicamp, comparou os resultados de reconstrução do fêmur distal – parte próxima ao joelho – de portadores de tumores ósseos e não encontrou nenhuma diferença estatística entre implantar ou não o componente patelar da prótese.

O estudo retrospectivo utilizou dados de 108 pacientes do MD Anderson Cancer Center de 1993 a 2013, sendo 60 pacientes sem componente patelar e 48 com componente patelar. O trabalho recebeu o prêmio de melhor pôster na área de Tumores e Doenças Osteometabólicas apresentado durante o congresso anual da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos, realizado em março na Flórida, Estados Unidos.

De acordo com Maurício, os pacientes com tumores na porção distal do fêmur, próximo do joelho, são submetidos, na maioria das vezes, a colocação de próteses não convencionais chamadas de endopróteses ou megapróteses. Estas próteses são muito maiores que as próteses convencionais de joelho e abrangem um segmento maior do osso.

Atualmente, já se sabe que no caso de uma prótese de joelho convencional, não há diferença entre manter a superfície articular da patela ou substituir por polietileno. Mas, no caso das megapróteses, a discussão sempre dividiu a opinião dos cirurgiões devido à falta de estudos disponíveis.

“Comparamos dados clínicos e funcionais dos pacientes e vimos que não há diferença entre implantar ou não a patela. Só recomendamos que se implante o componente patelar nos pacientes que sentem dor naquele local antes da realização da prótese, do contrário é desnecessário”, revelou Maurício.

A pesquisa completa foi aceita para publicação numa revista norte-americana de alto impacto. Participaram do estudo Justin E. Bird, Patrick P. Lin, Robert L. Satcher Jr, Bryan S. Moon, Jun Yu, Liang Li e Valerae O. Lewis.