Qualificações e Defesas

Nenhum resultado encontrado

Candidato(a): Ruane Silva de Figueiredo Orientador(a): Roberto José Negrão Nogueira
Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente
Apresentação de Qualificação Data: 03/09/2020, hrs. Local:
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Roberto José Negrão Nogueira - Presidente
Suplentes

MICRORNAS E BIOMOLÉCULAS OXIDADAS COMO POSSÍVEIS BIOMARCADORES DE NEFROTOXICIDADE INDUZIDA PELA CISPLATINA EM PACIENTES COM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

Candidato(a): Júlia Coelho França Quintanilha Orientador(a): Patricia Moriel
Doutorado em Ciências Médicas
Apresentação de Defesa Data: 03/09/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Patricia Moriel - Presidente
Claudia Vianna Maurer Morelli
Catarina Raposo Dias Carneiro
Leonardo Régis Leira Pereira
Gilberto de Castro Junior
Suplentes
Tarsis Antonio Paiva Vieira
Patrícia de Carvalho Mastroianni
Fabiana Rossi Varallo

Resumo


A cisplatina é utilizada para tratamento de diversos tumores sólidos, incluindo tumores de cabeça e pescoço. Seu uso é limitado devido suas toxidades, dentre as quais se destaca a nefrotoxicidade, causada principalmente por estresse oxidativo. O objetivo deste estudo foi avaliar microRNAs (miRNAs) e biomoléculas oxidadas como possíveis biomarcadores de nefrotoxicidade induzida por cisplatina. Foram coletadas amostras de sangue e urina de 81 pacientes com câncer de cabeça e pescoço. As amostras de sangue foram coletadas antes (basal) e após 5 (D5) e 20 dias (D20) da administração de cisplatina (80-100 mg/m2), enquanto as amostras de urina foram coletadas no basal e após 2 (D2) e 5 (D5) dias. As toxicidades foram classificadas em graus de acordo com Common Terminology Criteria for Adverse Events v4.0. Os biomarcadores de estresse oxidativo plasmático, malondialdeído (MDA) e proteínas carboniladas, e urinário, 8-isoprostano, foram mensurados nos tempos basal e D5. MiRNAs foram extraídos de plasma e urina coletados no D5 de 6 pacientes com e sem nefrotoxicidade (grupo caso e controle, respectivamente). Foi realizado sequenciamento para identificação dos miRNAs diferentemente expressos entre os grupos, e selecionados para validação aqueles com fold regulation (FR) >5 ou FR <-5. Até o momento foi realizada validação parcial dos miRNAs plasmáticos por qPCR e as expressões relativas foram obtidas através do método 2-∆∆CT em amostras de plasma basal e D5. Também foram analisadas a resposta ao tratamento e a sobrevida global. Os biomarcadores de estresse oxidativo não se mostraram estatisticamente alterados após a quimioterapia. Foram selecionados para validação os miRNAs plasmáticos miR-3168, miR-6125 e miR-4718, e os urinários miR-615-5p, miR-425-3p e miR-203a-3p. O miR-6125 estava mais expresso no grupo caso antes da quimioterapia (p=0,044), podendo ser um preditor de nefrotoxicidade. Houve predomínio de resposta parcial ao tratamento e a sobrevida global foi de 519,6 dias (21 – 921).

Candidato(a): Raiany Rosa Bergamo Orientador(a): Gil Guerra Junior
Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente
Apresentação de Qualificação Data: 04/09/2020, 14:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Gil Guerra Junior - Presidente
Mariana Porto Zambon
Ezequiel Moreira Gonçalves- Departamento de Pediatria/FCM/UNICAMP
Suplentes
Mauro Augusto Schreiter Melloni - FACULDADE DE JAGUARIÚNA

EFEITOS DA IMUNOTERAPIA COM ONCOTHERAD (MRB-CFI-1) NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM CÂNCER DE BEXIGA NÃO MÚSCULO INVASIVO, RECIDIVADO, NÂO RESPONSIVO À TERAPIA COM BACILLUS CALMETTE GUÉRIN (BCG)

Candidato(a): João Carlos Cardoso Alonso Orientador(a): Wagner Jose Favaro
Doutorado em Ciências da Cirurgia
Apresentação de Defesa Data: 09/09/2020, 08:00 hrs. Local: INTEGRALMENTE A DISTÂNCIA
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Wagner Jose Favaro - Presidente
Jose Carlos Souza Trindade Filho- FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU - UNESP
Rafael Ferreira Coelho- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - Octávio Frias de Oliveira
Fabiano André Simões
Paulo Eduardo Pizao- Faculdade São Leopoldo Mandic
Suplentes
Lísias Nogueira Castilho - Universidade de São Paulo
Adriano Fregonesi - Faculdade de Ciências Médicas / UNICAMP
Marcelo Lopes de Lima - Universidade Estadual de Campinas

Resumo


RESUMO

O câncer de bexiga representa a segunda doença maligna mais comum do trato urinário, e uma das neoplasias que apresentam os maiores custos para o Sistema Único de Saúde. O tratamento primário do câncer de bexiga não-músculo invasivo (CBNMI) baseia-se no tratamento cirúrgico através da ressecção transuretral, seguido da imunoterapia intravesical com Bacillus Calmette-Guérin (BCG), para diminuição da recidiva e prevenção da progressão tumoral. Entretanto, a utilização do BCG está associada à efeitos colaterais de intensidades variadas, além de apresentar um índice de recorrência pós-tratamento de até 50 . A opção cirúrgica, cistectomia parcial ou total, está frequentemente associada às altas taxas de morbidade e mortalidade. Nesse cenário, uma nova perspectiva é representada pelo imunomodulador OncoTherad. O qual é um complexo de fos

Candidato(a): Talita Magalhães Sansoni Orientador(a): Antonio Luis Eiras Falcao
Mestrado em Ciências da Cirurgia
Apresentação de Qualificação Data: 09/09/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Antonio Luis Eiras Falcao - Presidente
Aníbal Basile Filho- Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP
Marcos Mello Moreira- Universidade Estadual de Campinas
Suplentes
Elcio Shiyoiti Hirano