Jornada sobre sexualidade e gênero reúne especialistas na FCM

Enviado por Edimilson Montalti em qua, 06/11/2019 - 08:54

Os alunos da Pós-Graduação em Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp realizaram na segunda-feira (4), a Jornada Cores da Sexualidade e Gênero. O evento aconteceu no Salão Nobre da FCM e abordou a violência de gênero e a mulher negra; o caminho do transexual na atualidade e atendimento na atenção primária e a masculinidade pós-feminismo. A primeira palestrante foi a psicóloga clínica Paula Dionísio. Ela abordou a violência de gênero e a mulher negra. Em sua apresentação, Paula destacou os discursos sociais históricos e os estereótipos criados em torno da mulher negra.

Para Paula, três deles se destacam: a mãe preta ou síndrome da tia Anastásia – mulheres negras mais velhas subservientes que reprimiram sua sexualidade; a preta raivosa, estereótipo que vem das mulheres escravizadas que se rebelavam contra o que eram obrigadas a viver e o da mulata que, para a pesquisadora, é o mais cruel ou violento de todos, porque pega a questão do embranquecimento.  “A mulata muitas vezes não se vê como negra. As meninas passam a acreditar que ser branco é melhor, que é mais bonito. Isso vai sendo imposto a elas de forma social”, disse Paula.

De acordo com Paula da Cunha Pereira, enfermeira da Unicamp e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Tocoginecologia da FCM, a proposta de realizar uma jornada científica faz parte do programa de mestrado, dentro do curso de didática e pedagogia, ministrado pela professora Sophie Derchain.  O tema em si surgiu dentro de conversas em aulas, nas quais os alunos perceberem que ainda há poucas discussões pautadas e diversificadas em torno dele.

“O destaque que a sexualidade e gênero ganhou dentro do programa foi algo espontâneo. Nossa turma possui diferentes profissionais de saúde. Percebemos que cada um lidava com estas questões em algum nível em seu dia-a-dia, mostrando a nós que o assunto era interessante para um debate no qual todos estariam inseridos”, explicou Paula, que atua como pesquisadora no Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas (Cemicamp) e como assistente no ambulatório de planejamento familiar do CAISM. 

Para 2020, está programado o 2º Congresso Internacional Multidisciplinar em Sexualidades. O tema será Educação, Liberdade e Respeito. O evento ocorrerá em setembro no Centro de Convenções da Unicamp e será coordenado por Carla Zeglio, aluna do Programa de Pós-Graduação em Tocoginecologia da FCM.

Leia também: