Qualificações e Defesas

Nenhum resultado encontrado

Candidato(a): Giovanna Hass Bueno Orientador(a): Luiz Claudio Martins
Doutorado em Gerontologia
Apresentação de Qualificação Data: 10/12/2020, 14:30 hrs. Local: Integralmente à distância - https://meet.google.com/bcq-ikxr-ivz
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Luiz Claudio Martins - Presidente
Adriane Maira Delicio Abati- Faculdade de Ciências Médicas / UNICAMP
Maria Giovana Borges Saidel
Suplentes
Daniele Pompei Sacardo

Caracterização de diferentes óleos de copaíba e avaliação da propriedade cicatrizante e anti-inflamatória

Candidato(a): Débora Juliana dos Anjos Orientador(a): Paulo Cesar Pires Rosa
Doutorado em Farmacologia
Apresentação de Defesa Data: 11/12/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Paulo Cesar Pires Rosa - Presidente
Andréa Aparecida de Aro- Centro Universitário Hermínio Ometto - UNIARARAS
Rodney Alexandre Ferreira Rodrigues
Iara Lúcia Tescarollo- Universidade São Francisco
Marcio Adriano Andreo- Universidade Federal de São Paulo - Campus Diadema
Suplentes
Fabio Ferreira Perazzo
Jose Luiz Da Costa
Andre Almeida Schenka
Ana Lucia Tasca Gois Ruiz

Resumo


O óleo de copaíba é extraído do interior do tronco das Copaibeiras (Copaifera spp), apresenta características aromáticas e atividades farmacológicas atribuídas aos compostos sesquiterpenicos (PIERI et al, 2009). É utilizado pela população da região amazônica para tratar inflamações, dermatites, em cicatrização de ferimentos, infecções do trato urinário e respiratório. O uso como cicatrizante de feridas data-se antes da chegada dos primeiros exploradores europeus no século XVI, acredita-se que os índios nativos sul- americanos adquiriram o conhecimento observando os animais esfregando suas feridas nos troncos das copaibeiras (VEIGA; PINTO, 2002),

O óleo pode apresentar variação de coloração, do transparente ao marrom e também na composição. Alguns autores relacionam a variação na composição dos óleos em função de fatores bióticos externos, tais como a injúria provocada por insetos ou fungos. No entanto, há escassez de estudos avaliando parâmetros físico-químicos de diferentes óleos em especial da Copaifera multijuga.

O objetivo do trabalho foi determinar a composição química das amostras de óleo de Copaifera multijuga e avaliar o reparo tecidual das lesões cutâneas em camundongos saudáveis frente ao uso emulsão.

As amostras do óleo de Copaifera multijuga foram provenientes da região de Serra Monte Branco/ICMBio- Amazonas, cadastrado no SisGen nº A72F740, foram realizados ensaios físico-químico, análises por cromatografia a gás acoplada a espectrômetro de massas (GC-MS) o equipamento utilizado foi o Agilent (HP6890) com a coluna HP5MS 5MS (30 m de comprimento x 0,250 mm de diâmetro internox 0,25 um de espessura de filme) temperatura de injetor 260°C; modo Split (20:1), a atividade cicatrizante de uma das amostras foi avaliada incorporando-a em uma emulsão a 10 .

A ferida foi realizada com ajuda de uma tesoura cirúrgica e delimitada por um molde de 1cm2 na região dorsal de camundongos C57BL/6J Unib.

O processo de cicatrização foi acompanhado através de fotos obtida com câmera digital Canon Power Shot® nos dias zero, 2º, 4º, 6º, 8º, 10º e 12º pós-lesão. As imagens foram digitalizadas e a área das feridas mensurada por meio da utilização do software Image J. 1.49 v (National Institutesnof health, bethesda, MD). O fechamento foi expresso em porcentagem ( ), calculada pela seguinte fórmula: [((área diária)x 100)/ área inicial].

As amostras de óleo-resina de Copaifera multijuga apresentam diferentes colorações, variação esta intimamente ligada à composição química, a emulsão com óleo de 10 Copaifera multijuga foi capaz de auxiliar a contração da ferida no 4º e 12ª dia de tratamento.

A dimensão clínico-assitencial do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: a sistematização da experiência do grupo Vem Ser Mulher

Candidato(a): Laine Cancian da Silva Orientador(a): Juan Carlos Aneiros Fernandez
Mestrado em Saúde Coletiva
Apresentação de Defesa Data: 11/12/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Juan Carlos Aneiros Fernandez - Presidente
Daniele Pompei Sacardo
Cláudia Maria Bógus- USP - Universidade de São Paulo
Suplentes
Rafael Afonso da Silva - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Rosilda Mendes - Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista

Resumo


A discussão acerca da Promoção da Saúde (PS) tem crescido nas últimas décadas e ganhado força principalmente a partir da realização da Primeira Conferência Internacional Sobre a Promoção da Saúde, a Conferência de Ottawa, realizada em 1986. Nesse momento foi elaborado o conceito de PS mais utilizado até os dias atuais, dando lugar aos sujeitos quanto ao seu papel no que tange aos cuidados de sua saúde. Desde então, muitas mudanças têm ocorrido na área da saúde pública, culminando na criação e implantação do Programa de Saúde da Família e, posteriormente, do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Tendo em vista o lugar que o psicólogo do NASF ocupa dentro do contexto da Atenção Básica à Saúde e partindo dos pressupostos da Promoção da Saúde, a presente pesquisa buscou lançar seu olhar para as práticas grupais desenvolvidas por esse profissional dentro de uma unidade de Saúde da Família. O objetivo foi estudar a questão da autonomia dos sujeitos a partir da sistematização da experiência de um grupo de mulheres desenvolvido na lógica da Promoção da Saúde numa unidade de Saúde da Família. Assim, foi necessário reconstituir o grupo de mulheres e, para percorrer os caminhos pretendidos, foi utilizada a metodologia participativa denominada Sistematização de Experiências (SE). A SE valoriza os saberes dos sujeitos que participaram da prática, colocando-os como protagonistas e envolvendo-os nas reflexões e escolhas a serem feitas. Essa metodologia é desenvolvida em cinco tempos: o ponto de partida, o qual é sempre uma experiência prática concreta; as perguntas iniciais, momento no qual o objeto, o objetivo e o eixo da sistematização são definidos; a recuperação do processo vivido, com a reconstrução histórica da prática e a presença das diferentes interpretações dos sujeitos; a reflexão de fundo, a qual realiza a interpretação crítica do processo vivido; e os pontos de chegada, que representa a formulação de conclusões e a construção de conhecimentos acerca da prática e que devem ser comunicados. No que tange à autonomia dos sujeitos, a mesma sempre esteve presente, contudo, de forma implícita. Foi possível observá-la no agenciamento feito pelas mulheres, tanto na prática grupal desenvolvida, quanto no processo da SE. No entanto, sistematizar essa experiência possibilitou ir além: revelou a potência das ações grupais na Atenção Básica e permitiu pensar acerca da atuação do psicólogo do NASF para além da prática centrada na clínica.

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E COGNIÇÃO EM IDOSOS OCTOGENÁRIOS

Candidato(a): Marcella Silva Ramos de Lázari Orientador(a): Anita Liberalesso Neri
Mestrado em Gerontologia
Apresentação de Defesa Data: 11/12/2020, 14:00 hrs. Local: Integralmente à distância - https://meet.google.com/fzd-jgcm-gdp
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Anita Liberalesso Neri - Presidente
Mara Patricia Traina Chacon Mikahil
Juliana Martins Pinto- Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Suplentes
Taiguara Bertelli Costa - Centro Universitário de Jaguariúna
Samila Sathler Tavares Batistoni - Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo

Resumo


O objetivo foi investigar associações entre déficit cognitivo e prática de exercícios físicos em dois tempos de medida, considerando variáveis sociodemográficas, hipertensão, diabetes mellitus e obesidade, em octogenários recrutados na comunidade. Os dados derivaram dos bancos de linha de base (2008-2009) e seguimento (2016-2017) do Estudo Fibra Campinas-SP e Ermelino Matarazzo-SP. Participaram 287 idosos com M idade = 84,2±3.78. A prática de exercícios na linha de base (LB) e no seguimento (SG) foi avaliada por autorrelato; o déficit cognitivo pelo Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), a hipertensão e a obesidade por medidas objetivas e diabetes por autorrelato (SG). Houve mais inativos em LB e no SG entre os obesos, os com mais doenças e os mais velhos. O déficit cognitivo associou-se com duas condições crônicas (O.R.= 1,93; 95 IC 1,12-3,34) e 85 anos e mais (O.R.= 1,82; 95 IC 1,08-3,07). Idade avançada é fator de risco para déficit cognitivo, agravado pela presença de doenças crônicas. A prática continuada de exercícios físicos promove envelhecimento bem-sucedido, cognição saudável e prevenção de doenças.

Candidato(a): Jonathas Justino Orientador(a): Sergio Resende Carvalho
Mestrado em Saúde Coletiva
Apresentação de Qualificação Data: 14/12/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente a distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Sergio Resende Carvalho - Presidente
Reginaldo Moreira- Universidade Estadual de Londrina
Luzia Margareth Rago- Universidade Estadual de Campinas
Juliana Luporini Do Nascimento
Suplentes
Ricardo Sparapan Pena - Universidade Federal Fluminense