Qualificações e Defesas

A MEDIDA DA PERFUSÃO DE RETINA-COROIDE POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO FECHAMENTO ANGULAR PRIMÁRIO AGUDO

Candidato(a): Gabriel Ayub Lopes Orientador(a): Vital Paulino Costa
Mestrado Profissional em Ciência Aplicada à Qualificação Médica Coorientador(a): Jose Paulo Cabral De Vasconcellos
Apresentação de Defesa Data: 06/04/2020, 14:00 hrs. Local: Anfiteatro Otorrinolaringologia
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Vital Paulino Costa - Presidente
Mônica de Cássia Alves de Paula- FCM-UNICAMP
Marcelo Jordão Lopes da Silva- Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
Suplentes
Rui Barroso Schimiti - Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Rodrigo Goncalves Pagnano

Resumo


INTRODUÇÃO: O fechamento angular primário agudo (FAPA), consiste na obstrução ao escoamento do humor aquoso de forma aguda, levando ao aumento abrupto da pressão intraocular (PIO). Esse quadro resulta na redução da perfusão ocular, levando à isquemia, morte de células ganglionares e comprometimento visual permanente. A perfusão do conjunto retina-coroide é realizada pela artéria central da retina e artérias ciliares posteriores. OBJETIVOS: Avaliar a perfusão do conjunto retina-coróide em olhos acometidos por FAPA, em relação a um grupo controle, por meio de ressonância magnética com contraste endovenoso. MATERIAIS E MÉTODOS: Realizou-se o exame de ressonância magnética nos pacientes diagnosticados com FAPA no setor de urgência da oftalmologia, sendo adquiridas 2 sequencias anatômicas e 1 sequência de perfusão (tempo total do protocolo de 11min02s). Instituiu-se o tratamento padrão após a aquisição das imagens. As imagens foram analisadas a partir do desenho das regiões de interesse sob a sequência de perfusão, limitadas pela borda temporal do disco óptico e inserção do músculo reto lateral. As ROIs foram corregistradas nas imagens anatômicas e calculou-se a média da concentração do contraste nos 2 primeiros segundos e sua variação ao longo de 28 segundos seguintes para determinação dos valores perfusionais. RESULTADOS: Foram identificados 15 pacientes com quadro de FAPA, dos quais foram incluídos no estudo 5 pacientes. Destes, 3 apresentaram crise unilateral e 2 apresentaram crise bilateral. O grupo controle foi constituído de 3 olhos contralaterais de pacientes que tiveram crise unilateral e por 2 olhos de pacientes normais pareados por sexo e idade. Dos pacientes em crise, 4 (80%) eram mulheres, a idade média foi 65,8 ±12,38 anos, a PIO média dos olhos em crise foi 56,2±14,67mmHg, a pressão arterial média foi de 113,4±8,17mmHg e a pressão de perfusão ocular média foi de 57,2±13,46mmHg. No grupo controle, PIO média foi de 15,6±2,61mmHg (p=0,0625), a pressão arterial média foi de 107,4±6,57mmHg (p=1,0) e a pressão de perfusão ocular média foi de 91,8±6,72mmHg (p=0,0625). A concentração relativa de sangue nos pacientes em crise foi de -0,127±0,048 e no grupo controle foi de -0,213±0,116 (p=0,3125). CONCLUSÕES: a sequência de ressonância magnética com gadolínio escolhida não demonstrou diferenças significativas na concentração relativa de sangue entre os olhos com FAPA e os olhos controles.

Avaliação da associação de biomoléculas oxidadas e microRNAs com a trombose relacionada à síndrome antifosfolípide primária

Candidato(a): Camila de Oliveira Vaz Orientador(a): Patricia Moriel
Mestrado em Farmacologia Coorientador(a): Fernanda Loureiro De Andrade Orsi
Apresentação de Defesa Data: 07/04/2020, 09:00 hrs. Local: Anfiteatro da Comissão de Pós-Graduação (FCM-06)
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Patricia Moriel - Presidente
Daniel Dias Ribeiro- Universidade Federal de Minas Gerais
Erich Vinicius De Paula
Suplentes
Luis Antonio Salazar Navarrete - Universidad de la Frontera
Fabiola Taufic Monica Iglesias

Resumo


Introdução: A síndrome antifosfolípide (SAF) é uma doença autoimune caracterizada por eventos tromboembólicos (arteriais ou venosos) ou complicações obstétricas associados a persistência de anticorpos antifosfolípides (aPLs).Os mecanismos patológicos da SAF não estão completamente elucidados e acredita-se que os aPLs são necessários para causar o estado de hipercoagulabilidade, porém insuficientes para provocar os eventos trombóticos. Fatores adicionais exercem papel fundamental para a ocorrência da trombose relacionada a SAF, entretanto esses fatores adicionais não são completamente conhecidos. Neste contexto, mecanismos como o estresse oxidativo e alterações epigenéticas poderiam estar associados a ocorrência de trombose na SAF. O estresse oxidativo ocorre devido ao desbalanço entre a produção e eliminação de espécies reativas de oxigênio, o que gera um ambiente pró inflamatório potencialmente agravante do estado de hipercoagulabilidade. Por sua vez, as alterações epigenéticas abrangem mecanismos de regulação gênica pela ação de microRNAs (miRNAs) ,que consistem em moléculas pequenas de RNA de cadeia simples, não codificante capazes de desempenhar um importante papel na regulação pós-transcricional da expressão gênica, ao ligarem-se diretamente aos RNAs mensageiros (mRNAs). Assinaturas de miRNAs já foram identificadas em doenças inflamatórios e aterotrombóticas. Objetivos: Os objetivos principais desse estudo foram avaliar a associação entre as concentrações plasmáticas de marcadores de dano oxidativo com a trombose relacionada a SAF e identificar uma possível a assinatura de miRNAs nos portadores da doença. Metodologia: Trata-se de um estudo caso-controle do tipo observacional, no qual foram incluídos 70 pacientes portadores de SAF primária trombótica, pareados por frequência de sexo, idade e raça com 74 controles sem antecedentes de trombose. Para a avaliação do estresse oxidativo, foram quantificados por kits comerciais da marca CAYMAN CHEMICAL® os níveis de malondialdeído, 8-isoprostano, proteínas carboniladas e a capacidade antioxidante total de amostras de plasma de ambos os grupos. Já a identificação da assinatura diferencial de miRNAs circulantes foi feita pela técnica de MicroArray, utilizando amostras de 21 pacientes e 21 controles. As análises estatísticas foram realizadas nos softwares de estatística R (R Core Team, 2017) e SPSS Statistics for Windows, Version 20.0 (IBM



18

Corp. Released 2011. IBM Armonk, NY: IBM Corp), sendo que o valor de significância adotado foi de 0,05 para a análise de marcadores de dano oxidativo e miRNAs como biomarcadores e de 0,001 para a análise diferencial de miRNAs. Resultados: As concentrações plasmáticas de marcadores de dano oxidativo dos pacientes com SAF primária trombótica foi semelhante à dos controles, não permitindo a associação destes marcadores com a trombose relacionada a SAF. Em relação a alterações epigenéticas, foram identificados 24 miRNAs diferencialmente expressos nos portadores da SAF, que possuem como alvos validados vários genes envolvidos em vias relacionadas a indução e manutenção do estado pró-trombótico e inflamatório. Identificamos uma assinatura de 5 miRNAs (hsa-miR-149-3p, hsa-miR-1273g-3p, hsa-miR-4687-3p, hsa-miR-4497e hsamiR-4516) que, em conjunto, possuem capacidade de discriminar portadores da SAF trombótica em relação aos controles.

Candidato(a): Carolina Neves Freiria Orientador(a): Ligiana Pires Corona
Doutorado em Gerontologia
Apresentação de Qualificação Data: 08/04/2020, 14:00 hrs. Local: Anfiteatro do prédio da pós graduação - FCM
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Ligiana Pires Corona - Presidente
Verônica Gronau Luz- Universidade Federal da Grande Dourados
Diogo Thimoteo Da Cunha
Suplentes
Verônica Gronau Luz
Flávia Silva Arbex Borim - Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP

Candidato(a): Thais Junqueira Orientador(a): Ricardo Mendes Pereira
Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente
Apresentação de Qualificação Data: 14/04/2020, 09:00 hrs. Local: ciped
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Ricardo Mendes Pereira - Presidente
Marcelo Barciela Brandão- Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP
Roberta Vacari De Alcantara
Suplentes
Andrea De Melo Alexandre Fraga

IMPLANTAÇÃO DA ANESTESIA WALANT COMO PROTOCOLO PARA AS CIRURGIAS ORTOPÉDICAS DA MÃO E DO PUNHO

Candidato(a): Lucas Moratelli Orientador(a): Rodrigo Goncalves Pagnano
Mestrado Profissional em Ciência Aplicada à Qualificação Médica
Apresentação de Defesa Data: 14/04/2020, 13:30 hrs. Local: Anfiteatro da CPG/FCM
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Rodrigo Goncalves Pagnano - Presidente
Mauro Cesar Mattos e Dinato- Faculdade de Ciências Médicas / UNICAMP
Trajano Sardenberg- Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Suplentes
Mateus Saito - HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA USP
Alessandro Rozim Zorzi - Universidade Estadual de Campinas

Resumo


Introdução: Wide-awake Local Anesthesia No Tourniquet (WALANT) é uma técnica de anestesia local para cirurgias do membro superior que utiliza um anestésico local associado a um vasoconstritor com a finalidade de obter uma ação anestésica e vasoconstritora sem necessitar do uso do garrote. Não há relatos da implantação da técnica WALANT no sistema público brasileiro. Objetivo: Analisar a viabilidade e a segurança da técnica WALANT no tratamento das afecções cirúrgicas de baixa complexidade da mão e do punho em um hospital público. Metodologia: Estudo piloto conduzido na forma de uma série de casos, prospectivo, realizado em um hospital público terciário. Foram incluídos indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos classificados como ASA I ou II submetidos a procedimentos de baixa complexidade com duração estimada inferior a 1 hora. Foram excluídos os indivíduos que apresentassem alguma contraindicação ao uso da anestesia local ou apresentassem condições clínicas que pudessem prejudicar os dados do estudo. Os participantes foram submetidos à anestesia WALANT conforme protocolo de pesquisa. Foram obtidos dados demográficos e clínicos. A dor durante os procedimentos foi medida pela Escala Numérica de dor aplicada verbalmente. Resultados: Foram analisados 21 participantes submetidos a 23 procedimentos cirúrgicos da mão, punho e cotovelo. Participantes do sexo feminino foram 69,6%, a média de idade foi de 49,6 ± 15,6 anos, e classificação ASA II foi de 73,9%. Quanto à dor durante os procedimentos anestésicos e cirúrgicos, 86,5% relataram dor tolerável uma única vez, e foi atribuída à perfuração da pele pela agulha (média de 2,0 ± 1,7 pontos de 0-10). Apenas 5% relataram que a dor da aplicação da anestesia foi superior à dor do acesso venoso contralateral. O sangramento intraoperatório foi tolerável e não atrapalhou a dissecção na maioria dos procedimentos. Conclusão: A técnica WALANT apresentou eficácia anestésica e vasoconstritora suficientes para a maior parte das cirurgias de baixa complexidade da mão e do punho e garantiram o conforto dos pacientes mesmo sem o uso de sedação. Trata-se de uma técnica de baixo custo e mostrou-se factível e segura no sistema público de saúde.