Qualificações e Defesas

Candidato(a): Aderivaldo Cabral Dias Filho Orientador(a): Cássio Luís Zanettini Riccetto
Doutorado em Ciências da Cirurgia
Apresentação de Qualificação Data: 27/10/2020, 08:00 hrs. Local: Por teleconferência
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Cássio Luís Zanettini Riccetto - Presidente
Universidade Estadual de Campinas- Universidade Estadual de Campinas
Adriano Fregonesi- Faculdade de Ciências Médicas / UNICAMP
Paulo Cesar Rodrigues Palma- Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP
Suplentes
Ricardo Destro Saade - Universidade Estadual de Campinas

Candidato(a): Camila Cristiane de Toledo Orientador(a): Otavio Rizzi Coelho Filho
Mestrado em Ciências Médicas
Apresentação de Qualificação Data: 27/10/2020, 08:30 hrs. Local: Videocoferência
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Wilson Nadruz Junior - Presidente
Rodrigo Gimenez Pissutti Modolo- Universidade Estadual de Campinas
Lindemberg Da Mota Silveira Filho
Suplentes
Bruno Rodrigues
Jose Roberto Matos Souza

Candidato(a): Robenia Mara Ribeiro Orientador(a): Gastao Wagner De Sousa Campos
Mestrado em Saúde Coletiva
Apresentação de Qualificação Data: 27/10/2020, 08:30 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Gastao Wagner De Sousa Campos - Presidente
Mônica Martins de Oliveira Viana- Instituto de Saúde/Área de concentração Saúde-Coletiva
Daniele Pompei Sacardo
Suplentes
Rubens Bedrikow

Candidato(a): Cilene Despontin Malvezzi Orientador(a): Juliana Luporini Do Nascimento
Doutorado em Saúde Coletiva
Apresentação de Qualificação Data: 27/10/2020, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Juliana Luporini Do Nascimento - Presidente
Everardo Duarte Nunes- Universidade Estadual de Campinas
Rafael Afonso da Silva- Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Suplentes
Gustavo Tenorio Cunha
Alana de Paiva Nogueira Fornereto Gozzi - UFSCAR - Departamento de Terapia Ocupacional

PRINCIPAIS FATORES E ESCORES ÍNDICES PREDITIVOS DE REINTUBAÇÃO E MORTALIDADE APÓS TRANSPLANTE DE FÍGADO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Candidato(a): Ana Paula Ragonete dos Anjos Agostini Orientador(a): Luiz Claudio Martins
Doutorado em Ciências da Cirurgia
Apresentação de Defesa Data: 27/10/2020, 14:00 hrs. Local: Integralmente à Distância
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Luiz Claudio Martins - Presidente
Adriane Maira Delicio- Faculdade de Ciências Médicas / UNICAMP
Daniela Miti Tsukumo Seixas- Universidade Estadual de Campinas
CAROLINA KOSOUR- Universidade Federal de Alfenas-UNIFAL-MG
Cristina Aparecida Veloso Guedes- Centro Universitário Hermínio Ometto - UNIARARAS
Suplentes
Marcelo Velloso - Universidade Federal de Minas Gerais
Evelyn Regina Couto - Hospital das Clínicas da UNICAMP
Lucia Figueiredo Mourao

Resumo


Introdução: Os cuidados primários pós-operatório de transplante de fígado incluem ventilação mecânica e admissão na unidade de terapia intensiva (UTI). As complicações respiratórias são as maiores causas de mortalidade em torno de 63,6 - 86,7 neste grupo de pacientes.

Objetivos: Analisar os principais fatores preditivos de mortalidade e de reintubação após o transplante de fígado.

Materiais e Métodos: Estudo observacional com utilização do banco de dados da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da Unicamp (HC-UNICAMP) no período de 2013 a 2018. Criação de uma planilha especifica para a coleta das características demográficas (idade, sexo, peso, altura, indicação do transplante de fígado, tipo de cirurgia), índices preditivos utilizados frequentemente na UTI e no transplante como o MELD, CHILD, BAR, APACHE II, SOFA, SAPS 3, tempo de internação, tempo de ventilação mecânica (VM), necessidade de ventilação mecânica não invasiva, pneumonia associada pela ventilação mecânica (PAV). Análise estatística: teste T para dados paramétricos, Mann Whitney para dados não paramétricos e características da Curva ROC.

Resultados: Dos cinquenta e oito pacientes analisados do trabalho piloto, 25 foram a óbito, em análise multivariada, os índices preditivos de mortalidade foram o APACHE II (OR: 1.1 IC: 1.03-1.17, p = 0.004), tempo de ventilação mecânica (OR: 1.02 IC: 1.01-1.04, p = 0.001) e reintubação (OR: 9.06 IC: 1.83-44.9, p = 0.007). O aumento de uma unidade na probabilidade pelo APACHE II aumenta o risco de óbito em 10.2 e cada hora de VM, aumenta o risco de óbito em 2.6 . A necessidade de reintubação aumenta a chance de óbito em 9 vezes. Duzentos e trinta sete pacientes foram analisados no total do trabalho, sendo 38 (16 ) reintubados. Na análise comparativa entre indivíduos reintubados e não reintubados, as variáveis analisadas PAV, óbito, tempo de VM, tempo de UTI, Uso de VNI, escore de MELD, SAPS, BAR e necessidade de procedimentos cirúrgicos após o transplante foram diferentes significativamente p<0,001. Na análise de regressão multivariada os fatores preditivos de reintubação foi PAV (IC:1,04-108,3 OR:10,6 p= 0,04 ) e BAR (IC:1,02-1,36 OR:1,18, p= 0,02). As curvas ROC mais elevadas foram escore de MELD, SAPS e BAR através das intersecções das curvas de sensibilidade e especificidade > 0,70.

Conclusão: Os principais fatores de predição de mortalidade dos indivíduos na UTI após a LTx foram o escore APACHE II, tempo de VM prolongado, e a reintubação. A reintubação após o LTx apresentou como fator de predição o escore BAR, SOFA no 3o dia, SAPS 3 e PAV foram sensíveis em predizer a reintubação neste grupo de paciente.