Qualificações e Defesas

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DA QUALIDADE DE VIDA E FUNÇÃO COGNITIVA EM PACIENTES COM LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Candidato(a): Catia Maria Geralda Santos Nascimento Orientador(a): Simone Appenzeller
Doutorado em Clínica Médica
Apresentação de Defesa Data: 20/08/2018, 09:00 hrs. Local: Anfiteatro do HC
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Simone Appenzeller - Presidente
Luiz Carlos Latorre- Universidade de São Paulo
Renata Ferreira Magalhaes
Eduardo Ferreira Borba Neto- Universidade de São Paulo
Tiago Nardi Amaral- Universidade Estadual de Campinas
Suplentes
Mariana Freschi Bombini - Universidade Estadual de Campinas
Zoraida Sachetto
Alexandre Wagner Silva de Souza - UNIFESP

Resumo


O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença auto-imune crônica e multissistêmica. A etiologia do LES é desconhecida e a prevalência é observada principalmente em mulheres na fase reprodutiva. O LES apresenta períodos de exacerbação e remissão. As manifestações neuropsiquiátricas (MNP) são freqüentes no LES, podendo ser primárias devido ao LES em atividade ou secundárias a co-morbidades. As MNP mais freqüentes são cefaléia, convulsão, desordens de ansiedade e de humor, disfunção cognitiva, e doenças cerebrovasculares. As MNP no LES podem influenciar de modo negativo a vida dos pacientes causando déficit de qualidade de vida, aumento da incapacidade funcional e maior fadiga. No LES, fatores como atividade de doença, corticoterapia e depressão estão associados à presença e gravidade da disfunção cognitiva. A melhora da sobrevida no LES nas últimas décadas implica em maior preocupação com a qualidade de vida (QV) dos pacientes. E identificar fatores associados a uma pior QV pode melhorar o tratamento e seguimento desses pacientes. MNP parecem influenciar a QV, sendo que mudanças na evolução das MNP refletem diretamente na QV. O objetivo do presente trabalho é correlacionar a presença e a gravidade de disfunção cognitiva com a QV de pacientes com LES, e ainda correlacionar a presença de outras possíveis co-morbidades psiquiátricas com a QV. A avaliação cognitiva, avaliação de alteração de humor, questões sobre QV e avaliação da presença de fadiga, serão realizadas através de testes e de questionários validados para estas finalidades: Montreal Cognitive Assessment (MoCA), Inventário de Ansiedade de Beck (AI), Inventário de Depressão de Beck (BDI), Short-Form Health Survey (SF-36) e Escala de Severidade de Fadiga (FSS), respectivamente.

ACURÁCIA DIAGNÓSTICA DA ELASTOGRAFIA NA AVALIAÇÃO DE LESÕES MAMÁRIAS: IMPACTO NA SENSIBILIDADE, ESPECIFICIDADE E ACURÁCIA DA ULTRASSONOGRAFIA E SEU REAL BENEFÍCIO CLÍNICO

Candidato(a): Maíra Teixeira Dória Orientador(a): Luis Otavio Zanatta Sarian
Mestrado em Tocoginecologia
Apresentação de Defesa Data: 20/08/2018, 09:00 hrs. Local: Anfiteatro do Subsolo do CAISM
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Luis Otavio Zanatta Sarian - Presidente
Cicero de Andrade Urban- Universidade Positivo
Cesar Cabello Dos Santos
Suplentes
Ruffo de Freitas Junior - Universidade Federal de Goiás
Rodrigo Menezes Jales

Resumo


Objetivo: Avaliar a performance diagnóstica e o benefício clínico da elastografia Shear Wave Elastografy – Virtual TouchTM Imaging Quantification (SWE-VTIQ) como complemento à classificação BI-RADS (Breast Imaging-Reporting and Data System) da ultrassonografia. Métodos: Estudo observacional, transversal e analítico de validação diagnóstica seguindo os critérios do STARD (Standard for Reporting of Diagnostic Accuracy Studies), com coleta de dados prospectiva, realizado no Hospital da Mulher Professor Dr. José Aristodemo Pinotti – CAISM-Unicamp. No período de outubro de 2016 a junho de 2017, 357 mulheres com 396 lesões mamárias detectáveis à ultrassonografia e que consentiram em participar desse estudo foram sumetidas aos exames de ultrassonografia (US) modo B e elastografia. As lesões foram classificadas seguindo os critérios do BI-RADS. Quatro parâmetros elastográficos quantitativos foram avaliados: Vmax (velocidade máxima), Vmed (velocidade média), Vratio(max) (razão entre a Vmax e a velocidade de propagação no parênquima mamário adjacente) e Vratio(med) (razão entre a Vmed e a velocidade de propagação no parênquima mamário adjacente). A avaliação histopatológica da lesão foi considerada o padrão ouro para definição de malignidade ou benignidade. Lesões classificadas como BI-RADS 3 foram consideradas benignas caso se apresentassem estáveis em um período de seguimento de dois anos, mesmo sem avaliação histopatológica. A performance dos quatro parâmetros elastográficos foi avaliada através da sensibilidade, especificidade e área sob a curva ROC (receiver operator characteristics). O parâmetro com melhor desempenho foi escolhido para ser testado em diferentes abordagens diagnósticas, definidas de acordo com a prática clínica: classificação BI-RADS (US modo B); elastografia para todos os nódulos; elastografia para BI-RADS 3; elastografia para BI-RADS 3 ou 4A; elastografia para BI-RADS 4A; elastografia para BI-RADS 4A ou 4B. O desempenho diagnóstico de cada abordagem, além do número de biópsias que teriam sido realizadas em cada situação, foram calculados para determinar o benefício clínico da elastografia. Resultados: Dos 396 nódulos avaliados, 122 (30.8%) eram benignos e 274 (69.2%), malignos. As velocidades de todos os parâmetros elastográficos foram significativamente maiores nas lesões malignas (p<0.001). Na análise comparativa entre os parâmetros, Vmax e Vratio(max) tiveram desempenho significativamente melhor do que a Vratio(med) (p=0.01 e p=0.03, respectivamente). A elastografia aumentou a especificidade da US modo B em todas as abordagens diagnósticas, exceto quando utilizada para os nódulos BI-RADS 3. A elastografia reduziu o número de biópsias em 25% quando utilizada para os nódulos BI-RADS 4A e em 54.4% quando utilizada para os nódulos BI-RADS 4A ou 4B. Entretanto, nessa última abordagem, treze lesões malignas de um total de 274 (4.7%) teriam sido erroneamente classificadas como benignas. Conclusão: A elastografia SWE-VTIQ é um método capaz de aumentar a especificidade da US quando empregada para lesões BI-RADS 4A, reduzindo significativamente o número de biópsias desnecessárias, sem que haja um prejuízo para o diagnóstico de lesões malignas clinicamente significativas. Quando empregada também para as lesões BI-RADS 4B, há um aumento do número de falsos negativos, o que deve ser avaliado com cautela na prática clínica.

Os efeitos da prática musical sobre o sistema auditivo periférico e central em normo-ouvintes

Candidato(a): Sávia Letícia Menuzzo Quental Orientador(a): Christiane Marques Do Couto
Mestrado em Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação
Apresentação de Defesa Data: 20/08/2018, 09:30 hrs. Local: Sala da Congregação - Faculdade de Ciências Médicas
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Christiane Marques Do Couto - Presidente
Débora Lüders- Universidade Tuiutí do Paraná
Maria Francisca Colella Dos Santos
Suplentes
Fátima Cristina Alves Branco Barreiro - UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO
Helenice Yemi Nakamura

Resumo


Introdução: A prática musical pode influenciar positivamente no desenvolvimento de habilidades auditivas específicas, devido ao estudo contínuo e avançado realizado pelos músicos. Por outro lado, pode ser considerada como um fator de risco para o surgimento de sintomas auditivos, já que músicos estão em constante exposição a sons intensos. Objetivo: Investigar os efeitos da prática musical sobre o sistema auditivo periférico e central em músicos profissionais normo-ouvintes. Método: Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em pesquisa, sob CAAE 56932216.0.0000.5404. Foram avaliados 28 Músicos profissionais (Grupo GM) e 28 Não músicos (Grupo GNM). Como critérios de inclusão, foram considerados: idade entre 18 anos e 59 anos; falante nativo do português brasileiro; limiares auditivos de até 20dBNA nas frequências de 0.25 a 8kHz; condições normais de orelha média; desempenho normal no Teste Dicótico de Dígitos, etapa de integração binaural; a concordância com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Como critérios de exclusão, foram considerados: síndromes e/ou outras patologias que podem comprometer fala e/ou audição; relato de uso de medicamentos neurodepressores; relato de histórico de otites recorrentes durante infância; sinais de alteração auditiva de origem retrococlear. Os grupos foram comparados quanto à: ocorrência de sintomas auditivos, pontuação no questionário adaptado do Hearing Handicap Inventory for Adults, desempenho no Teste de Padrão de Frequência (TPF), Gaps in Noise Test (GIN), Masking Level Difference (MLD) e Hearing in Noise Test (HINT)versão Português do Brasil. Todos os Músicos responderam a um questionário específico para caracterização e conhecimento de sintomas auditivos e/ou extra-auditivos após prática musical. Resultados: No GM, 17 participantes (60.7%) relataram algum sintoma auditivo, ainda que de frequência ocasional, em comparação a seis participantes (21.4%) do GNM. Quinze participantes (53.6%) do GM referiram sintomas auditivos ou extra-auditivos após a prática musical, especialmente o zumbido (oito participantes, 28.6%), e a maioria dos participantes (82.1%) afirmou não realizar estratégias de proteção ao som intenso. Os participantes do GM apresentaram melhor desempenho no TPF, observado pela homogeneidade do grupo, menores limiares e maiores porcentagens de acertos no GIN (p-valores de 0.0433 e 0.0325, respectivamente), e menor relação Sinal/Ruído na condição antifásica do MLD (p-valor: 0.0079). Os grupos mostraram-se semelhantes em relação ao desempenho no teste HINT. Conclusão: A partir da comparação entre músicos e não músicos normo-ouvintes, foram observados efeitos negativos na porção periférica e efeitos positivos na porção central do sistema auditivo associados à prática musical.

"O acontecido não foi comigo, mas foi": A Violência Sexual Vivenciada pelo(a) parceiro(a) da vítima

Candidato(a): Otávio Prado Alabarse Orientador(a): Renata Cruz Soares De Azevedo
Mestrado em Ciências Médicas
Apresentação de Defesa Data: 20/08/2018, 13:30 hrs. Local: Anfiteatro do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria/FCM
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Renata Cruz Soares De Azevedo - Presidente
Alessandra Elena Diehl Branco dos Reis- UNIFESP
Paulo Dalgalarrondo
Suplentes
Sheila Cavalcante Caetano - Universidade Federal de São Paulo
Luis Fernando Farah De Tofoli

Resumo


O cuidado em saúde mental é fundamental para mulheres que sofreram violência sexual (VS). O aparecimento e agravamento de sintomas e transtornos psiquiátricos dependem de vários fatores, entre eles, personalidade prévia, tipo de trauma e rede de apoio social. Esta última é muito importante, no entanto nem sempre está estruturada para lidar com essa situação. Há escassez de abordagens dirigidas à rede, especialmente para os parceiros, que podem apresentar intenso sofrimento, e raramente são incluídos na linha de cuidado em VS. OBJETIVOS: Promover suporte em saúde mental aos parceiros de mulheres que sofreram VS, com o intuito de conhecê-los melhor, entender seu sofrimento e dar suporte para lidarem com a situação de VS. MÉTODO: Tipo de estudo: Estudo exploratório com método misto (quantitativo e qualitativo). Sujeitos: Homens e mulheres, maiores de 18 anos, parceiros e parceiras de mulheres atendidas no Ambulatório de Atendimento Especial (AAE) do CAISM/ UNICAMP. Instrumentos: Entrevistas semiestruturadas. Procedimentos: Os parceiros que aceitaram o convite receberam até quatro atendimentos feitos por um psiquiatra com objetivo de counseling direcionados para o evento traumático. RESULTADOS: Os parceiros incluídos no estudo relataram ter experimentado ao menos alguma alteração após a violência sexual, seja ela de caráter físico, psíquico, emocional e/ou social. Entre os sentimentos, o mais marcante foi a raiva. Os principais quadros apresentados foram alteração do sono e do apetite, sintomas de ansiedade e depressão, além de pensamentos repetidos sobre a violência sexual. CONCLUSÃO: Os parceiros relataram que o atendimento recebido ajudou a aliviar a tensão e angústia que sentiam e com isso, ressignificaram seu sofrimento.

ANÁLISE DO TRANSCRIPTOMA EM MODELO DE EPILEPSIA DE LOBO TEMPORAL MESIAL

Candidato(a): Alexandre Hilário Berenguer de Matos Orientador(a): Iscia Teresinha Lopes Cendes
Doutorado em Fisiopatologia Médica
Apresentação de Defesa Data: 20/08/2018, 13:30 hrs. Local: Sala da congregação- FCM1
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Iscia Teresinha Lopes Cendes - Presidente
Roger Walz- Universidade Federal de Santa Catarina
Ângela Cristina do Valle- Faculdade de Medicina - USP
Marcondes Cavalcante Franca Junior
Clarissa Lin Yasuda
Suplentes
Fábio Rossi Torres - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Marino Muxfeldt Bianchin - Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Danyella Barbosa Dogini - Universidade Estadual de Campinas

Resumo


O perfil de expressão gênica de tecido fornece informações biológicas relevantes sobre mecanismos moleculares potencialmente envolvidos em fenômenos biológicos complexos. Recentemente, devido à heterogeneidade da expressão gênica em diferentes subconjuntos de células, é importante ter especificidades sub-regionais ao estudar a expressão gênica, especialmente no SNC. O objetivo deste estudo foi analisar o perfil de expressão gênica utilizando a tecnologia de sequenciamento de alto desempenho em diferentes sub-regiões do giro denteado (GD) e Cornu Ammonis 3 (CA3) em um modelo animal de epilepsia do lobo temporal induzida por pilocarpina.

Ratos Wistar machos foram injetados com metil-escopolamina (1 mg / kg) trinta minutos antes da injeção sistêmica de cloridrato de pilocarpina (320 mg / kg) para reduzir os efeitos colaterais periféricos colinérgicos. Quatro horas após a administração de pilocarpina, diazepam foi administrado (4 mg / kg), a fim de reduzir as crises. Os ratos controles foram injetados com solução salina após injeção de metil-escopolamina. Quinze dias após a indução, os ratos foram eutanásiados (n = 4) e os cérebros foram processados para microdissecção a laser. GD dorsal e ventral, tais como CA3 dorsal, intermediário e ventral, foram coletados de cada animal. O sequenciamento de RNA foi realizado em uma plataforma Illumina Hiseq®. As sequências foram alinhadas e quantificadas com o pipeline TopHat / DESeq2 para o RNA total. As ontologias genéticas e as interações entre genes foram analisadas com o software MetaCore®.Encontramos um total de 969, 308, 2624, 1731 e 1278 genes diferencialmente expressos (p <0,05) quando comparados ratos controle e pilocarpina para o dGD, vGD, dCA3, iCA3 e vCA3, respectivamente. A análise de ontologia genética indica um aumento significativo na expressão de genes presentes nas células do sistema imune, indicado pelas ontologias de genes enriquecidos, como a Classical complement pathway, Phagocytosis processes e Phagosome in antigen presentation em ratos pilocarpina. Os genes envolvidos com a transmissão sináptica foram hipoexpressos no dGD e no vGD. Além disso, no dGD houve uma redução significativa do gene na rede de transporte de cálcio, bem como mudanças na expressão de vários genes envolvidos na sinalização de neuropeptídeos, transporte de potássio e sódio. Em dCA3 observamos a hiperexpressão de genes relacionados ao remodelamento do citoesqueleto e ao ciclo celular. Em iCA3, identificamos a hiperexpressão de genes envolvidos na diferenciação de oligodendrócitos em células-tronco adultas. Em vCA3 houve uma diminuição da expressão de processos neurofisiológico glutamatérgico e aumento de genes relacionados à regulação da transição G1 / S.Os presentes dados indicam mecanismos moleculares específicos que ocorrem nas sub-regiões do hipocampo do modelo animal de epilepsia do lobo temporal induzida por pilocarpina. Os dados do transcriptoma sugerem uma interação entre vários componentes moleculares que levam à epileptogênese neste modelo animal que exibe dano hipocampal generalizado.