Qualificações e Defesas

Candidato(a): Ana Maria Thomé de Oliveira Orientador(a): Luciana Togni de Lima e Silva Surjus
Mestrado Profissional em Saúde Coletiva: Políticas e Gestão em Saúde
Apresentação de Qualificação Data: 19/03/2019, 13:30 hrs. Local: Anfiteatro Faculdade de Ciências Médicas
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Luciana Togni de Lima e Silva Surjus - Presidente
Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas- Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Rosana Teresa Onocko Campos
Maria Cristina Gonçalves Vicentin
Suplentes
Luis Fernando Farah De Tofoli
Fernando Sfair Kinker - UNIFESP

Candidato(a): Katia Jaqueline Davoli Orientador(a): Silvia De Barros Mazon
Mestrado em Ciências Médicas
Apresentação de Qualificação Data: 19/03/2019, 14:00 hrs. Local: Anfiteatro do Departamento de Patologia Clínica
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Roger Frigerio Castilho - Presidente
Carlos Emilio Levy
Magnun Nueldo Nunes Dos Santos
Suplentes
Eliana Cotta de Faria - FCM-UNICAMP
Angelica Zaninelli Schreiber

Protocolo de informação ao paciente e instrumento de avaliação do conhecimento sobre psoríase em ambulatório especializado

Candidato(a): Dimitri Luz Felipe da Silva Orientador(a): Renata Ferreira Magalhaes
Mestrado Profissional em Ciência Aplicada à Qualificação Médica
Apresentação de Defesa Data: 20/03/2019, 08:30 hrs. Local: Sala Amarela - CPG
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Renata Ferreira Magalhaes - Presidente
Emerson Henrique Padoveze
Maria Beatriz Puzzi
Suplentes
Laura de Sena Nogueira Maehara
Andrea Fernandes Eloy Da Costa Franca

Resumo


A psoríase é uma doença inflamatória crônica que pode acometer a pele e articulações, sendo a
forma cutânea caracterizada classicamente por lesões eritemato-descamativas decorrentes de
um aumento no turn-over celular. Trata-se de doença estigmatizante devido à falta de
conhecimento pela grande parte da população, sendo papel do médico assistente o emprego de
informações e tratamentos individualizados, aumentando assim a adesão ao tratamento e
promovendo bem-estar. Sabe-se que o tempo de consulta é curto e nem sempre o paciente grava
todas as informações proferidas pelo médico, ou este não as passa completamente. Buscou-se
avaliar o grau de conhecimento dos pacientes sobre sua doença e a capacidade de entendimento
e utilidade de um material complementar à consulta. Por isso este trabalho apresenta um
instrumento para promoção de educação em saúde através de material escrito ou em vídeo. De
acordo com a intervenção educacional promovida, houve randomização em dois grupos:
panfleto e vídeo, ambos contemplando a mesma temática e informações. Um questionário sobre
conceitos básicos foi aplicado antes e depois do material a fim de mensurar o conhecimento
acerca da doença. Foram selecionados 74 pacientes (idade média 50,5 anos), com 82%
apresentando a forma em placas e 37% em uso de drogas imunobiológicas, sendo que deles
70% fizeram uso de metotrexate em um determinado momento de seu tratamento. O material
foi aprovado e considerado útil por 66% dos indivíduos. Quanto aos conhecimentos, foi
demonstrada boa compreensão da natureza não infecciosa da afecção (97%), porém pouca
compreensão quanto à fisiopatologia básica da doença, 78% mostrou conhecimento sobre os
sinais precoces de artrite. Participantes de nível médio e superior tiveram mais acertos que os
de fundamental. Não houve diferença estatística na comparação das questões individualmente
e entre os grupos, porém quando comparadas as médias de acertos, nota-se aumento
significativo no grupo exposto ao panfleto. Os dados encontrados estão em consonância com
os achados na literatura e mostram que algumas informações passadas nas consultas são fixadas
pelos pacientes porém outras formas de abordagem educativa são recomendadas e podem ser
alternativas complementares na educação do paciente, através da melhora do conhecimento e
adesão. O produto final deste trabalho consiste no meio de disseminação sobre diversas
dermatoses, no ambiente da sala de espera dos ambulatórios, a começar pela psoríase.

Candidato(a): Bruno de Sousa Donato Orientador(a): Alberto Cliquet Junior
Mestrado em Ciências da Cirurgia
Apresentação de Qualificação Data: 20/03/2019, 10:00 hrs. Local: Sala Laranja da CPG
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Alberto Cliquet Junior - Presidente
Rodrigo Goncalves Pagnano
Jose Irineu Gorla
Suplentes
Mauricio Etchebehere

Manual de condutas no câncer gástrico.

Candidato(a): Luigi Carlo da Silva Costa Orientador(a): Valdir Tercioti Junior
Mestrado Profissional em Ciência Aplicada à Qualificação Médica Coorientador(a): Nelson Adami Andreollo
Apresentação de Defesa Data: 21/03/2019, 11:00 hrs. Local: Auditório do Departamento de Cirurgia
Veja mais / Fechar
Banca avaliadora
Titulares
Nelson Adami Andreollo - Presidente
João de Souza Coelho Neto- FCM-UNICAMP
José Gonzaga Teixeira de Camargo
Suplentes
José Luis Braga de Aquino
Luiz Roberto Lopes

Resumo


A incidência e a mortalidade por câncer gástrico diminuíram ao longo das últimas décadas. Contudo, o câncer gástrico continua sendo o quarto câncer mais comum e a segunda causa de morte por câncer em todo o mundo, atrás do câncer de pulmão, mama e colorretal. Sua incidência é maior entre homens, na proporção de 2:1, sendo mais frequente entre a quinta e a sétima década, com pico por volta dos 70 anos em ambos os sexos. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), é o quarto tipo de câncer mais frequente entre os homens e o sexto entre as mulheres, sendo sua taxa de mortalidade a terceira por neoplasia no sexo masculino e a quarta no feminino. As altas taxas de mortalidade por esta neoplasia devem-se tanto à sua elevada prevalência, quanto à dificuldade em se estabelecer um diagnóstico precoce, o que implica em baixos índices de tratamento curativo e menor sobrevida. Na literatura, o adenocarcinoma é o tipo histopatológico mais frequente, representando 95% dos casos, e o termo “câncer gástrico” é frequentemente utilizado como seu sinônimo. Já os tumores não-epiteliais (linfoma e tumor estromal gastrointestinal de baixo ou alto grau) são responsáveis por apenas 5% dos casos, apresentando potenciais evolutivos e tratamentos diferentes (4,5,9). Objetivo. Desenvolver um manual de condutas para o adenocarcinoma gástrico embasado no que há de melhor evidência na literatura médica e transformá-lo em modelo aplicável a ser seguido. Trazendo uniformidade na conduta, facilitando o aprendizado dos alunos e residentes, diminuindo a possibilidade de erros no manejo dos casos e otimizando o atendimento dos pacientes. Método. Foi realizada revisão bibliográfica para selecionar o que há de consenso na literatura sobre conduta no adenocarcinoma gástrico, envolvendo variáveis como o tratamento clinico oncológico; tipo de tratamento cirúrgico (curativo ou paliativo); técnicas cirúrgicas empregadas; tipos de reconstrução do trânsito gastrointestinal; associação com ressecção de órgãos adjacentes; cuidados clínicos no pré-operatório, transoperatório e pós operatório; neoadjuvância e adjuvância. Resultados. Confeccionado o manual de condutas para o câncer gástrico para ser seguido no Ambulatório de Cirurgia do Esôfago, Estômago e Duodeno da disciplina de Moléstias do Aparelho Digestivo da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP. Sendo observado em grande parte igualdade com o que é preconizado na literatura em relação ao tratamento do câncer gástrico.