Qualificações e Defesas

Candidato(a): Marcela Reymond Simões Orientador(a): Licio Augusto Velloso
Mestrado em Fisiopatologia Médica
Apresentação de Qualificação Data: 17/11/2021, 14:00 hrs. Local: Integralmente à distância via Google Meet
Banca avaliadora
Titulares
Roger Frigerio Castilho - Presidente
Fabiana Braga Benatti
Marciane Milanski Ferreira
Suplentes
Leonardo Dos Reis Silveira

Candidato(a): Thiago Domingues Stocco Orientador(a): Anderson de Oliveira Lobo
Doutorado em Clínica Médica
Apresentação de Qualificação Data: 17/11/2021, 14:00 hrs. Local: Online
Banca avaliadora
Titulares
Denise Engelbrecht Zantut Wittmann - Presidente
Luciano Paulino Silva- Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Fernanda Roberta Marciano- Universidade Federal do Piauí
Suplentes
Andreas Kaasi - EVA Scientific

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS INFLAMATÓRIOS E MIOESTEATOSE NO PROGNÓSTICO DE PACIENTES COM ADENOCARCINOMA GÁSTRICO SUBMETIDOS À GASTRECTOMIA COM INTENÇÃO CURATIVA

Candidato(a): Fabiana Lascala Juliani Orientador(a): Jose Barreto Campello Carvalheira
Mestrado Profissional em Oncologia
Apresentação de Defesa Data: 17/11/2021, 14:00 hrs. Local: Integralmente a distancia através do link:
Banca avaliadora
Titulares
Jose Barreto Campello Carvalheira - Presidente
Ana Paula Trussardi Fayh- Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Maria del Pilar Estevez Diz
Suplentes
Maria Cristina Cintra Gomes Marcondes
Daiane Sofia de Morais Paulino - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas

Resumo


Introdução: A mioesteatose e os índices inflamatórios (relação neutrófilos-linfócitos (NLR); relação plaquetas-linfócitos (PLR); relação monócito-linfócitos (LMR)) são importantes contribuintes para a piora na sobrevida de pacientes com diversos tipos de câncer , incluindo o câncer gástrico (CG), todavia, pouco se sabe acerca da relação entre estes e suas associações independentes com a sobrevida no CG ressecado. Objetivos: Avaliar a influência prognóstica de índices inflamatórios e mioesteatose, de forma combinada e independente, em pacientes com CG submetidos à gastrectomia com intenção curativa. Metodologia: Estudo retrospectivo composto por 280 pacientes com CG gastectomizados, acompanhados entre 2009 a 2018. Informações clínicas foram retiradas do prontuário, considerando 2 meses da cirurgia, e hemograma, para cálculo dos índices inflamatórios. A Tomografia Computadorizada (TC) foi considerada para avaliação da mioesteatose, sendo utilizada a secção transversal na região da terceira vértebra lombar (L3) por meio das unidades Hounsfield (HU) para tecido muscular, e posteriormente normalizadas pela altura para cálculo do índice. Os pontos de corte para as variáveis contínuas foram estabelecidos através da análise estatística de estratificação ótima e determina valores ideais relacionados à sobrevida global (SG). O ponto de corte da atenuação muscular foi utilizado para categorização da mioesteatose. As curvas de Kaplan-Meier foram utilizadas para avaliar a sobrevida livre de doença (SLD) e a SG. As diferenças entre as curvas foram avaliadas pelo log-rank. P <0,05 foi considerado significativo. Resultados: O período médio de acompanhamento foi de 21,6 meses. A amostra era composta em sua maioria por homens adultos e com alta prevalência de perda de peso. A prevalência de mioesteatose foi de 31,7 (n=89), enquanto que a NLR >2.3 foi encontrado em 46.9 (n=120). Tanto a presença de NLR>2.3 quanto de mioesteatose, foram associadas a maior frequência de diabetes e eutrofia. Pacientes com mioesteatose eram mais velhos, enquanto que com NLR >2.3 eram mais jovens. As curvas de Kaplan-Meier revelaram que indivíduos com CG apresentam SLD e SG mais baixas na presença de mioesteatose. Resultado semelhante ao avaliar de forma isolada todos os índices inflamatórios, estes foram significativamente associados com piora SLD e SG, exceto PLR para SLD, onde não apresentou diferença estatisticamente significativa. No mais, nota-se que os pacientes com NLR >2,3 e mioesteatose associados tiveram a pior SLD e SG quando comparados àqueles com
a presença de apenas um dos marcadores. Da mesma forma, observou-se uma pior SLD e SG em pacientes com um LMR baixo e uma alta PLR. Conclusão: A coexistência de mioesteatose e biomarcadores inflamatórios aumentou as chances de progressão da doença e mortalidades após a ressecção cirúrgica. Além disso, a mioesteatose, NRL e LMR, foram fatores independentes de SLD. Portanto, sugere-se que a presença de mioesteatose associada à inflamação sistêmica, no diagnóstico, pode predizer um pior prognóstico, sendo então considerado um importante indicador para avaliar SG e SLD de pacientes com CG submetidos à cirurgia curativa.



Candidato(a): Gabriela Cattel Albaraçin Orientador(a): Rodolfo De Carvalho Pacagnella
Mestrado em Tocoginecologia
Apresentação de Qualificação Data: 18/11/2021, 14:00 hrs. Local: MEET
Banca avaliadora
Titulares
Rodolfo De Carvalho Pacagnella - Presidente
Patricia Moretti Rehder
Belmiro Goncalves Pereira
Suplentes
Renato Teixeira Souza - Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM/UNICAMP

Candidato(a): Carla Fabrine de Carvalho Orientador(a): Diama Bhadra Andrade Peixoto Do Vale
Mestrado em Tocoginecologia Coorientador(a): Luiz Carlos Zeferino
Apresentação de Qualificação Data: 18/11/2021, 14:00 hrs. Local: ONLINE
Banca avaliadora
Titulares
Diama Bhadra Andrade Peixoto Do Vale - Presidente
Cassio Cardoso Filho
Julio Cesar Teixeira
Suplentes
Adriana Yoshida - Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher - UNICAMP