Qualificações e Defesas

COMPORTAMENTO SUICIDA EM ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA E EM OUTRAS PROFISSÕES DA SAÚDE

Candidato(a): Leandro Xavier de Camargo Schlittler Orientador(a): Amilton Dos Santos Junior
Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente Coorientador(a): Paulo Dalgalarrondo
Apresentação de Defesa Data: 22/11/2021, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância
Banca avaliadora
Titulares
Amilton Dos Santos Junior - Presidente
Eloisa Helena Rubello Valler Celeri
Maria Cristina Pereira Lima- Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Botucatu
Suplentes
Erikson Felipe Furtado - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP
Renata Cruz Soares De Azevedo

Resumo


Introdução: Médicos, outros profissionais de saúde e alunos de medicina são grupos de risco para o suicídio e comportamento suicida. Comportamentos suicidas abrangem fenômenos que vão desde de pensamentos, planejamentos, tentativas e finalmente a morte por suicídio. Sabe-se pouco sobre o comportamento suicida entre estudantes de profissões da saúde e estudantes de medicina brasileiros. Objetivo: Avaliar a prevalência de comportamento suicida (pensamentos, planejamento e tentativas) entre alunos de graduação da área da saúde e do curso de medicina. Avaliar os fatores sócio demográficos, de vida estudantil e saúde mais associados a esses comportamentos. Método: Estudantes da área de saúde da Unicamp responderam de forma voluntária e anônima um questionário amplo, incluindo dados sócio demográficos, de vida acadêmica e comportamento suicida durante os anos de 2017 e 2018. A análise estatística foi realizada através do teste de qui-quadrado, teste de Mann-Whitney, e regressão logística múltipla. Resultado: 1592 alunos da área de saúde da Unicamp, entre eles 722 alunos do curso de medicina responderam ao questionário. Os estudantes de medicina apresentaram prevalências de 196 (27,3 ) de ideação suicida, 64 (8,9 ) de planejamento suicida, e 26 (3,6 ) de tentativas de suicídio. Os estudantes de todas as profissões de saúde apresentaram prevalências de 394 (24,9 ) de ideação suicida, 124 (7,9 ) de planejamento suicida e 60 (3,8 ) de tentativas de suicídio. Conclusão: Alunos de medicina e outras profissões de saúde apresentam prevalências significativas de comportamento suicida. Fatores como gênero feminino, menor frequência de contato com o pai, ter sofrido bullying (principalmente no ensino médio), uso de substâncias para melhorar o desempenho acadêmico, não querer trabalhar de forma empreendedora após se formar, e necessitar apoio da instituição foram associados à ideação suicida entre os alunos da área da saúde. Bullying, presença de transtorno mental, procura de assistência em saúde mental na universidade, uso de calmante sem prescrição médica, nível socioeconômico, morar sozinho, religião e grau de religiosidade são os fatores que, conjuntamente, melhor explicam a chance de comportamento suicida entre os estudantes de medicina.



Candidato(a): Thais Helena Buffo Orientador(a): Aparecida Machado de Moraes
Doutorado em Clínica Médica
Apresentação de Qualificação Data: 23/11/2021, hrs. Local:
Banca avaliadora
Titulares
Aparecida Machado de Moraes - Presidente
Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas- Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Suplentes
Renata Ferreira Magalhaes

ASPECTOS DA ANGIOGÊNESE NA ANEMIA FALCIFORME: PAPEL DAS PLAQUETAS

Candidato(a): Fernanda Camila Zauli Fabris Orientador(a): Nicola Amanda Conran Zorzetto
Doutorado em Fisiopatologia Médica
Apresentação de Defesa Data: 23/11/2021, 09:00 hrs. Local: Integralmente à distância via Google Meet
Banca avaliadora
Titulares
Nicola Amanda Conran Zorzetto - Presidente
Rodolfo Delfini Cançado- Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Sara Teresinha Olalla Saad
Cristina Pontes Vicente
Andrea Ribeiro Soares- Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Suplentes
Bruno Deltreggia Benites - Faculdade de Ciências Médicas
Ana Cristina Silva Pinto - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
Fabíola Traina - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Resumo


A Doença Falciforme (DF) é causada por uma mutação genética que resulta na substituição de um único aminoácido da cadeia da β-globina, levando à formação de uma hemoglobina anômala conhecida como hemoglobina S. Em situações de baixas concentrações de oxigênio, a hemoglobina se polimeriza, levando as hemácias a assumirem um formato alongado, em um evento conhecido como falcização. A angiogênese é o processo pelo qual ocorre a formação de novos vasos a partir de vasos pré-existentes. Já é conhecido que as plaquetas funcionam como reservatórios de fatores envolvidos na inflamação e na angiogênese. Estudos mostraram que pacientes com DF, no geral, apresentam níveis elevados de fatores angiogênicos plasmáticos e que as plaquetas de pacientes com anemia falciforme (AF) podem circular em estado ativado na circulação sanguínea. Sendo assim, o objetivo deste projeto foi avaliar o papel das plaquetas nas diferentes etapas da angiogênese in vitro, utilizando células endoteliais humanas de cordão umbilical (HUVEC). As células HUVEC foram co-cultivadas com plaquetas separadas do sangue periférico de pacientes portadores de AF (HbSS) e DF (HbSC), e de indivíduos sadios (HbAA) por 24 horas. A quantificação das células HUVEC em proliferação se deu através de um kit comercial (BrdU). Para avaliação da formação de estruturas tipo capilares pelas células endoteliais (CE) utilizou-se matriz GFR-Matrigel. Os ensaios de invasão e migração foram realizados em câmara dupla de Matrigel e por meio da técnica de Scratch. A análise do secretoma e da expressão de receptores na superfície de plaquetas foi feita através do ensaio de multiplex e citometria de fluxo. Os resultados do estudo indicam que as plaquetas de pacientes com DF (HbSS e HbSC) e controle podem estimular a formação de estruturas capilares, a invasão e a migração das CE, in vitro. Nossos achados também demonstram que o co-cultivo de CE com plaquetas de pacientes AF, no mesmo poço, resulta no aumento da capacidade de invasão das CE. Em relação a análise da secretoma das plaquetas, observamos que, em 24 horas, as plaquetas de pacientes AF secretam concentrações elevadas dos fatores pró-angiogênicos ANG 1, angiogenina, e PDGF AA, e do fator anti-angiogênico, endostatina. Também, mostramos que as plaquetas de pacientes AF do nosso grupo de pesquisa apresentam um aumento na expressão do receptor PAR-1. Nosso trabalho reforça a hipótese de que as plaquetas participam do processo angiogênico da AF e abre perspectivas para novos estudos. Considerando que pacientes com DF possuem contagens elevadas de plaquetas, destacamos as plaquetas como um alvo terapêutico no tratamento da DF.



Candidato(a): Larisse Junqueira Mendes Carvalho Orientador(a): Maria Elisabete Rodrigues F Gasparetto
Doutorado em Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação
Apresentação de Qualificação Data: 23/11/2021, 09:00 hrs. Local: Integralmente a distância -
Banca avaliadora
Titulares
Maria Elisabete Rodrigues F Gasparetto - Presidente
Betânia Alves Veiga Dell'Agli- Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - FAE
Gabriela Tannús Valadão- EMEI Maria Pacheco Rezende
Lucia Helena Reily
Nubia Garcia Vianna
Suplentes
Zélia Zilda Lourenço de Camargo Bittencourt - Curso de Fonoaudiologia da UNICAMP

A PARTICIPAÇÃO DOS IDOSOS NOS DESFILES CARNAVALESCOS E O PERTENCIMENTO À COMUNIDADE DO SAMBA: aspectos educativos e os benefícios para seu bem-estar dos idosos

Candidato(a): Matilde Maria de Magalhães Arena Corrêa Orientador(a): Olga Rodrigues de Moraes Von Simson
Doutorado em Gerontologia
Apresentação de Defesa Data: 23/11/2021, 09:00 hrs. Local: Integralmente a distância
Banca avaliadora
Titulares
Olga Rodrigues de Moraes Von Simson - Presidente
Maria José D'Elboux- Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas
Julio Cesar Ferraz Amstalden- UNIMEP - UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA
Valeria Aroeira Garcia- Prefeitura Municipal de Campinas
Lívia Morais Garcia Lima- Centro Universitário Salesiano São Paulo, Campus Americana
Suplentes
Eduardo Conegundes de Souza - Universidade Federal de São Carlos
Eliana Nunes da Silva - Prefeitura Municipal de Campinas
Débora Mazza - Pesquisador Independente

Resumo


A presente pesquisa considera a importância do carnaval para a cultura das escolas de samba brasileiras: Rosa de Prata, de Campinas e Unidos da Vila, de Duartina/SP. O carnaval, há muito tempo realizado no Brasil deve sua grande representatividade a um intenso trabalho comunitário dos bairros de periferia de Campinas, como a Vila Castelo Branco (antiga Vila Bela), uma região vista como violenta e, também, à cidade de Duartina, cujo carnaval é importante forma de lazer. A Rosa de Prata realizou por muitos anos atividades criativas e artísticas envolvendo as idosas das Alas das Baianas e homens de mais idade. As atividades carnavalescas não são mais patrocinadas pela Prefeitura de Campinas desde 2016, porém, o trabalho que antecedia o desfile sempre foi intenso e compreendia o aprendizado do manejo dos instrumentos musicais, os ensaios da bateria, a confecção de fantasias, além da escolha do tema do desfile e subsequente composição do samba-enredo, sem esquecer o samba no pé e as festas comunitárias, demonstrando, que a comunidade do samba permanecia muito viva e com muita importância na vida dos idosos e assim, mantendo as tradições por gerações. O objetivo principal dessa tese é perceber como a participação dos velhos, especialmente das mulheres, nesta fase da vida nas escolas de samba contribuem para o bem-estar na velhice. Outros objetivos visam detectar benefícios educativos presentes nos ambientes das escolas de samba, principalmente no âmbito da educação não formal reconhecendo-os como contribuintes da Teoria do Envelhecimento Bem-Sucedido. Na pesquisa foi utilizada a metodologia da História Oral, que capta as experiências através do registro de narrativas que retratam memórias pessoais. Os principais autores da História Oral neste trabalho foram: Meihy, Rovai, Santhiago, Bosi e Simson. As narrativas foram obtidas via entrevistas orais e, também as memórias acionadas via fotografias cedidas que registravam trajetórias vivenciadas nas escolas de samba. Dois homens e quatro mulheres, com idades entre 67 a 86 anos. As entrevistas ocorreram entre 2017 e 2020. Os depoimentos gravados, transcritos e organizados por temas e analisados revelando relações entre eles. Consideramos o campo de educação não formal como importante envolvendo participação dos idosos. Como a educação não formal ganhou notoriedade no mundo e no Brasil a partir da crise da educação formal de 1990 o que salientou a atuação do terceiro setor. Garcia (2009), considera a educação não formal como um conceito no campo educativo desenvolvido através de algumas práticas. Foram realizados estudos bibliográficos em bancos de dados de artigos, sobre envelhecimento e artes a partir de 2018, constatando a importância dos mesmos em sua vida. Há necessidade de pesquisas mais aprofundadas envolvendo o tema, principalmente no Brasil. Os resultados demonstram que as escolas de samba são locais coletivos e prazerosos, valorizando as tradições dos bairros periféricos e das cidades pequenas demonstram a importância dessa manifestação cultural e de há intencionalidade educacional no processo de preparação para os desfiles, que envolve diferentes linguagens artísticas contribuindo para a vida, a educação dos e o bem-estar dos envolvidos.